Naufrágio de ferry na Indonésia. Sobe para 34 o número de mortos

O ferry transportava cerca de 190 pessoas

Pelo menos 34 pessoas, entre as quais crianças, morreram num naufrágio de um ferry que transportava cerca de 190 pessoas na costa da Indonésia, informaram hoje as autoridades locais.

O 'ferry' KM Lestari estava a transportar cerca de 190 pessoas no momento do naufrágio, que ocorreu na terça-feira, apesar de a lista de passageiros indicar apenas 134 pessoas a bordo.

Além das 34 mortes, 155 pessoas foram resgatadas com vida, referiu a agência nacional de gestão de desastres, sem mencionar desaparecidos no seu último balanço.

O barco de 49 metros fazia o trajeto entre a ilha de Celebes (Sulawesi) à ilha vizinha de Salayar quando foi surpreendido por ventos fortes e ondas altas.

As imagens do naufrágio mostravam passageiros agarrados a um dos lados do ferry, enquanto ondas batiam em caminhões e outros veículos que estavam no barco, a cerca de 300 metros da costa de Celebes.

Este acidente ocorreu no mesmo dia do anúncio do fim das buscas a 164 pessoas desaparecidas no naufrágio de outro ferry na semana passada, na ilha de Sumatra, no Lago Toba. Apenas a morte de três passageiros foi confirmada, enquanto outros 21 sobreviveram.

Em relação ao naufrágio de terça-feira, uma frota de pequenos barcos tentou salvar os passageiros, já que o mau tempo impediu que embarcações maiores se aproximassem, referiu o Ministério dos Transportes indonésio.

"Os últimos passageiros a bordo foram retirados por volta de 00:05 (de quarta-feira na Indonésia, 18:05 de terça-feira em Lisboa) ", disse Agus H. Purnomo, um responsável do Ministério, num comunicado.

Em 2009, mais de 300 pessoas morreram quando um ferry que ligava a ilha de Cebeles à parte indonésia da ilha de Bornéu naufragou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?