Naufrágio de 'ferry' na Indonésia causa 29 mortos

Há ainda 41 desaparecidos. Equipas de salvamento conseguiram resgatar cerca de 70 passageiros

Pelo menos 29 pessoas, incluindo crianças, morreram no naufrágio de um 'ferry' na costa da Indonésia, e 41 estão desaparecidas, de acordo com um novo relatório das autoridades locais divulgado hoje.

Cerca de 70 passageiros foram resgatados por equipas de resgate que prosseguiram hoje as buscas para encontrar outros sobreviventes.

O barco de 48 metros ligava a ilha Sulawesi de Sulawesi à ilha vizinha de Selayar quando foi surpreendido por ventos fortes e ondas altas.

Além dos 139 passageiros, o 'ferry' transportava 48 veículos, disse o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Catástrofes, Sutopo Purwo Nugroho, num comunicado divulgado na terça-feira.

Em junho, uma embarcação semelhante naufragou no lago Toba, na ilha de Sumatra, tendo-se confirmado a morte de três pessoas, sendo que 164 foram dadas como desaparecidas. Salvaram-se 21 passageiros.

As embarcações de passageiros são um dos principais meios de transporte do arquipélago indonésio, formado por 17 mil ilhas, com uma população de 260 milhões de habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.