Naufrágio de 'ferry' na Indonésia causa 29 mortos

Há ainda 41 desaparecidos. Equipas de salvamento conseguiram resgatar cerca de 70 passageiros

Pelo menos 29 pessoas, incluindo crianças, morreram no naufrágio de um 'ferry' na costa da Indonésia, e 41 estão desaparecidas, de acordo com um novo relatório das autoridades locais divulgado hoje.

Cerca de 70 passageiros foram resgatados por equipas de resgate que prosseguiram hoje as buscas para encontrar outros sobreviventes.

O barco de 48 metros ligava a ilha Sulawesi de Sulawesi à ilha vizinha de Selayar quando foi surpreendido por ventos fortes e ondas altas.

Além dos 139 passageiros, o 'ferry' transportava 48 veículos, disse o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Catástrofes, Sutopo Purwo Nugroho, num comunicado divulgado na terça-feira.

Em junho, uma embarcação semelhante naufragou no lago Toba, na ilha de Sumatra, tendo-se confirmado a morte de três pessoas, sendo que 164 foram dadas como desaparecidas. Salvaram-se 21 passageiros.

As embarcações de passageiros são um dos principais meios de transporte do arquipélago indonésio, formado por 17 mil ilhas, com uma população de 260 milhões de habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".