Naufrágio de ferry causou 72 mortos

No momento do naufrágio, 154 pessoas foram socorridas

As autoridades birmanesas suspenderam esta quinta-feira as operações de busca para sobreviventes de um 'ferry-boat' que naufragou no passado fim-de-semana no rio Chindwin, fixando assim em 72 o balanço oficial de vítimas mortais.

"Trouxemos o ferry à superfície esta manhã. Recuperámos um total de 72 corpos", dos quais apenas cerca de quarenta foram identificados, declarou à agência France Presse o responsável das operações de socorro, Sa Willy Frient.

Entre as vítimas, a maioria das quais encurraladas no 'ferry' que estava sobrelotado, cerca de cinquenta eram mulheres, especificou o mesmo responsável.

No momento do naufrágio, 154 pessoas foram socorridas. O 'ferry' deveria transportar um máximo de 150 passageiros, mas de acordo com estimativas dos socorristas, deveriam estar mais de 250 passageiros a bordo.

O barco, que se afundou no rio Chindwin, fazia a ligação entre Homalin e Monywa, perto de Mandalay, uma das maiores cidades birmanesas, no centro do país.

A bordo seguiam muitos estudantes, professores e trabalhadores, de regresso a casa para celebrar o festival do Thadingyut, durante o qual os fiéis de todo o país acendem lanternas de papel para celebrar a subida de Buda dos céus.

Quatro membros da tripulação foram detidos na sequência do desastre. As autoridades continuam à procura de um outro membro da tripulação e do proprietário do barco.

Os naufrágios são frequentes na Birmânia. Muitas pessoas vivem perto de vias fluviais importantes e dependem de navios em más condições e muitas vezes sobrelotados.

As infraestruturas de transporte da Birmânia, tanto terrestres como fluviais, foram deixadas em ruína pela junta militar, no poder entre 1962 e 2011.

Desde há poucos meses a Birmânia tem um governo civil, liderado pela Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.