NATO apela à Rússia para "respeitar plenamente" o espaço aéreo da Aliança

Turquia acusou hoje a Rússia de uma nova violação do seu espaço aéreo

A NATO apelou hoje à Rússia para "respeitar plenamente" o espaço aéreo da Aliança Atlântica, depois da Turquia, que é membro da organização, ter acusado Moscovo de uma nova violação do seu espaço aéreo.

"Apelo à Rússia para agir de forma responsável e para respeitar plenamente o espaço aéreo da NATO", afirmou o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, num comunicado, acrescentando que Moscovo "deve tomar todas as medidas necessárias para assegurar que tais violações não se repitam".

A Turquia acusou hoje a Rússia de uma nova violação do seu espaço aéreo e anunciou ter convocado, na sexta-feira, o embaixador russo em Ancara para "condenar fortemente" este novo incidente.

"Um caça Su-34 da aviação russa violou na sexta-feira o espaço aéreo às 11:46 hora local (09:46 hora de Lisboa)", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros turco, em comunicado.

"Sublinhamos, mais uma vez, que a Rússia tem a total responsabilidade por todas as consequências graves decorrentes de tal atitude irresponsável", disse a diplomacia turca, salientando que Ancara instou a Rússia a "agir de forma responsável".

Numa reação ao novo incidente, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, avisou que a Rússia terá de enfrentar as "consequências" dos seus "atos irresponsáveis".

"A Rússia terá de enfrentar as consequências se continuar com tais violações contra os direitos soberanos da Turquia", disse o chefe de Estado turco, em declarações à comunicação social, no aeroporto de Istambul.

"Tais atos irresponsáveis não beneficiam a Federação Russa, as relações entre a NATO e a Rússia ou a paz regional ou global", reforçou Erdogan.

Este novo incidente ocorre cerca de dois meses depois de um avião de combate russo ter sido abatido por caças F16 da força aérea da Turquia depois de ter violado o espaço aéreo daquele país, junto à fronteira com a Síria.

Este incidente provocou uma grave crise diplomática entre Moscovo e Ancara, países que têm posições divergentes sobre o conflito civil sírio.

A Rússia é um apoiante tradicional do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, enquanto a Turquia defende que a solução para o conflito passa pela saída do líder sírio.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.