NATO acompanha suspeitas sobre Huawei e admite atuar

Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO, admitiu que a situação da Huawei é preocupante e que está a "procurar formas" da NATO intervir caso seja necessário.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse esta quinta-feira estar a ponderar eventuais ações sobre a empresa de telecomunicações chinesa Huawei, tendo em conta as preocupações de segurança.

Stoltenberg disse que alguns dos 29 países aliados da organização demonstraram preocupações sobre a Huawei, numa altura em que a empresa se prepara para investir em novas infraestruturas de nova geração (5G).

"A NATO encara estas preocupações de forma muito séria", disse Stoltenberg. O secretário-geral da Aliança Atlântica diz que vai continuar a acompanhar as consultas dos vários aliados e "a procurar a forma" como a NATO pode eventualmente intervir não fornecendo mais detalhes sobre decisões.

O gigante de telecomunicações chinês tem negado as acusações dos Estados Unidos, membro da NATO, que suspeitam que a Huawei permite aos serviços secretos da República Popular da China acesso a dados e informações dos utilizadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.