Não haverá segundo referendo do brexit "em nenhuma circunstância"

O porta-voz da primeira-ministra Theresa May garantiu esta segunda-feira que não irá haver um segundo referendo ao Brexit "em nenhuma circunstância"

"O povo britânico votou para sair da União Europeia. Não haverá um segundo referendo, em nenhuma circunstância", disse aos jornalistas o porta-voz da primeira-ministra britânica Theresa May, segundo informou a jornalista Beth Rigby, correspondente da Sky News no Nº 10 de Downing Street.

O governo pretende assim pôr fim às dúvidas levantadas nos últimos dias.

A líder britânica está a enfrentar alguns desacordos dentro do seu governo, mas não recua. Esta manhã, Teresa May também voltou a dizer que a decisão de sair da União Europeia é a mais correta: "A nossa proposta é a melhor para o Reino Unido - honrando a decisão democrática do povo britânico, protegendo a integridade da nossa valiosa união, apoiando o crescimento, mantendo a segurança e salvaguardando os empregos britânicos", disse a primeira-ministra ao discursar na abertura do Farnborough Airshow.

"Retomaremos o controlo das nossas fronteiras, as nossas leis e o nosso dinheiro", disse. "Mas faremos isso de uma forma que será boa para os negócios e boa para a nossa prosperidade."

Negociações em Bruxelas

Entretanto, uma nova ronda de negociações para tentar fechar o acordo de divórcio do Reino Unido com a União Europeia começa hoje em Bruxelas, depois de um impasse de várias semanas.

O governo britânico publicou na passada quinta-feira um documento detalhado com propostas para uma "parceria económica" que sugere a criação de uma zona de comércio livre para bens e produtos agrícolas, mas que deixa o setor dos serviços de fora.

"A nossa proposta é abrangente. É ambiciosa. E garante o equilíbrio que precisamos - entre direitos e obrigações. Asseguraria que deixaríamos a UE sem sair da Europa", escreve a primeira-ministra, Theresa May, no prefácio, no qual apelou ao "pragmatismo e compromisso de ambos os lados".

O negociador-chefe dos 27, Michel Barnier, declarou na semana passada que 80% de um acordo com o Reino Unido já foi alcançado, dando a entender que será possível chegar a um resultado até ao final de outubro, como era desejado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.