Não haverá segundo referendo do brexit "em nenhuma circunstância"

O porta-voz da primeira-ministra Theresa May garantiu esta segunda-feira que não irá haver um segundo referendo ao Brexit "em nenhuma circunstância"

"O povo britânico votou para sair da União Europeia. Não haverá um segundo referendo, em nenhuma circunstância", disse aos jornalistas o porta-voz da primeira-ministra britânica Theresa May, segundo informou a jornalista Beth Rigby, correspondente da Sky News no Nº 10 de Downing Street.

O governo pretende assim pôr fim às dúvidas levantadas nos últimos dias.

A líder britânica está a enfrentar alguns desacordos dentro do seu governo, mas não recua. Esta manhã, Teresa May também voltou a dizer que a decisão de sair da União Europeia é a mais correta: "A nossa proposta é a melhor para o Reino Unido - honrando a decisão democrática do povo britânico, protegendo a integridade da nossa valiosa união, apoiando o crescimento, mantendo a segurança e salvaguardando os empregos britânicos", disse a primeira-ministra ao discursar na abertura do Farnborough Airshow.

"Retomaremos o controlo das nossas fronteiras, as nossas leis e o nosso dinheiro", disse. "Mas faremos isso de uma forma que será boa para os negócios e boa para a nossa prosperidade."

Negociações em Bruxelas

Entretanto, uma nova ronda de negociações para tentar fechar o acordo de divórcio do Reino Unido com a União Europeia começa hoje em Bruxelas, depois de um impasse de várias semanas.

O governo britânico publicou na passada quinta-feira um documento detalhado com propostas para uma "parceria económica" que sugere a criação de uma zona de comércio livre para bens e produtos agrícolas, mas que deixa o setor dos serviços de fora.

"A nossa proposta é abrangente. É ambiciosa. E garante o equilíbrio que precisamos - entre direitos e obrigações. Asseguraria que deixaríamos a UE sem sair da Europa", escreve a primeira-ministra, Theresa May, no prefácio, no qual apelou ao "pragmatismo e compromisso de ambos os lados".

O negociador-chefe dos 27, Michel Barnier, declarou na semana passada que 80% de um acordo com o Reino Unido já foi alcançado, dando a entender que será possível chegar a um resultado até ao final de outubro, como era desejado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.