"Não há um Plano B". Alunos nas ruas de Londres pelo ambiente

Jovens fizeram greve às aulas para chamar a atenção do governo britânico para o perigo das alterações climáticas

Milhares de estudantes optaram esta sexta-feira por abandonar as aulas no Reino Unido para lutar pelo futuro do planeta, tendo manifestado a sua vontade em alterar o contexto atual do meio ambiente e lutar contra as ameaças ecológicas. "Não existe nenhum plano B", "Quando é que as crianças se tornaram os adultos?" e "Porque é que tenho que limpar o meu quarto quando o mundo está uma confusão?" são algumas das mensagens que se podem ler nos cartazes.

Os jovens pretendem chamar a atenção da sociedade, exigindo que a idade para votar seja reduzida para 16 anos e exigem que o governo de Londres declare uma emergência climática, tornando assim a luta pelo ambiente uma prioridade para a população. A Youth Strike 4, a organização responsável pela manifestação contou à BBC que esta teve lugar em mais de 60 cidades da Grã-Bretanha, como Londres, Brighton, Oxford e Exeter.

Este movimento iniciou-se com Greta Thunberg que, então com 15 anos, decidiu fazer uma greve à porta do Parlamento Sueco. Estávamos em 2018 e Greta denunciou os países que não cumprem as exigências do Tratado de Paris. Desde então, e seguindo o seu exemplo, dezenas de milhares crianças realizam protestos a favor do meio ambiente em 270 cidades de países como Bélgica, Alemanha, Suécia, Suíça ou Austrália.

No início desta semana, mais de 200 académicos, escreveram ao The Guardian dizendo apoiar a greve dos jovens, denunciando a falta de ação por parte dos políticos. Já para o ministro da Educação, Damian Hinds, esta não é a solução. Hinds diz que "faltar às aulas não ajuda o meio ambiente, só dá trabalho extra aos professores".

A ex-responsável pelas questões climáticas da ONU, Christiana Figueres, mostrou apoiar a causa, dizendo que este movimento só mostra que os adultos estão a falhar na "responsabilidade de proteger" o planeta para os mais jovens e que está na hora de prestar atenção ao que estes têm a dizer. Claire Perry, secretária de Estado da Energia britânica, afirma por seu lado estar orgulhosa da atitude dos jovens e confidenciou à BBC que se a manifestação tivesse acontecido "há 40 anos, suspeito que estaria lá também".

Jasper Giles, um aluno de seis anos foi à manifestação com a mãe, Alissia, que defende a greve dos jovens. "Acho que vale a pena tirar um dia de folga da escola para mostrar que se apoia este movimento, acho que é realmente importante" afirmou ao Huffington Post. Kate Raworth, mãe de outra criança que participou na manifestação, partilhou um tweet em que mostra uma carta do filho para a professora em que este justifica a falta às aulas por considerar que "a mudança climática é importante".

O mais recente relatório da ONU alerta que só nos restam 12 anos para evitar os piores efeitos do aquecimento global, desde secas a ondas de calor até ao aquecimento dos oceanos e o degelo dos glaciares. Em Portugal, alguns grupos de estudantes estão também a divulgar greves e protestos para 15 de março no âmbito do movimento global de luta contra as alterações climáticas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?