"Não conseguimos tirar todas as pessoas do mar e isso é uma coisa que marca"

A Jugend Rettet recusou assinar um código de conduta criado no ano passado por Itália para regular a atividade das ONG no Mediterrâneo. O seu administrador critica a atual política europeia e as soluções propostas pelos líderes.

Julian Pahlke, de 26 anos, é o administrador da organização não governamental alemã Jugend Rettet (que significa resgates da juventude), cuja ação já salvou 14 mil vidas e foi matéria para um documentário.

Com o navio da ONG apresado em Itália, Pahlke lamenta a política europeia relativa à migração e à criminalização dos salvamentos marítimos.

O que diz das acusações que o ministro italiano Matteo Salvini faz às ONG como a sua? Contribuem para o tráfico de seres humanos e não respeitam as águas territoriais?

A alegação não é nova mas está tão errada como no primeiro dia. Os traficantes de pessoas não têm quaisquer princípios. São monstros. Torturam pessoas na Líbia mas a situação evoluiu porque há um vazio de poder na Líbia. Não concordamos com o que essas pessoas fazem em nada. Está errado, mas as pessoas põem as suas vidas nas mãos dos traficantes. Quanto às águas territoriais, a Líbia não reclamou a zona contígua [12 milhas marítimas], é onde as ONG operam. Isso são águas internacionais. Salvini não está ao corrente das leis e isso é muito fácil de perceber.

"Não devemos trabalhar com ditadores"

Qual é a vossa posição sobre o direito ao asilo? Todas as pessoas têm direito a vir para a Europa?

Essa questão não faz muito sentido, porque dizer que todas as pessoas vêm para a Europa é retórica. Pensamos que é necessária uma nova lei de migração. Até agora, com o acordo de Dublin, não se pode entrar numa embaixada e pedir asilo humanitário. A UE agora quer criar tendas em solo africano e dar uma oportunidade para as pessoas pedirem asilo aí. Isso não vai funcionar porque antes de mais a legislação tem de ser mudada. Até agora a única forma é entrar na Europa de navio ou de avião e de avião é impossível. As pessoas estão presas lá. É necessário haver formas legais para as pessoas migrarem. Os asilos devem ser concedidos no país de origem, não na Líbia nem na Tunísia. E claro que é preciso dar condições para a estabilidade dos países. Mas não devemos trabalhar com ditadores, como se está a fazer agora.

Qual tem sido a atividade da ONG a partir do momento em que o Iuventa foi apresado?

O Iuventa foi arrestado em agosto do ano passado e o nosso foco tem sido a recuperação do navio, claro. Sempre tivemos outro tipo de trabalho. Por exemplo o trabalho político, ir falar com as crianças e os jovens, dentro e fora das escolas. E, claro, ajudar as outras ONG nas missões de salvamento, ajudar sempre que necessário. Estamos a trabalhar de perto com as outras ONG desde que o Lifeline e o Seefuchs foram apresados. Nenhuma ONG tem gente suficiente.

Como é que as ONG se organizam em rede?

Antes de mais, a maioria é alemã, o que torna as coisas mais fáceis. Temos muito contacto com as outras ONG. Ainda não tinha pensado nisso antes, mas acho que é o mesmo ideal que nos une.

Como está o caso do Iuventa?

Levámos o caso para o tribunal superior em Roma e este decidiu que não iria libertar o navio nem desistir das acusações. Não há mais do que uma suspeita. Não o provaram até hoje nem o irão fazer, mas a legislação antimáfia permite o confisco de bens só porque se suspeita de algum crime. Vamos levar o caso para o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, em Estrasburgo. Estamos a trabalhar nisso neste momento. No próximo mês vamos entregar o caso. [A Jugend Rettet emitiu entretanto um comunicado a criticar o facto de o Ministério Público italiano ter estendido a investigação a cada um dos membros da tripulação]

Como é que estão de doações, uma vez que não estão em missão?

Sempre recebemos um número muito grande de pequenas doações. Por algum motivo continuam a fazê-lo. Temos recebido apoio da igreja protestante...Temos feito ações de consciencialização e de recolha de fundos. Porque mesmo com o navio apreendido, mantemos custos. Pagamos seguros, etc., não tem sido fácil.

Como é a experiência de estar num navio a resgatar pessoas?

Estive no Iuventa duas vezes em missões de salvamento, durante duas semanas e meia. Da primeira vez foi no final de 2016. Vemos as imagens todas dos jornais e da TV e lemos muito sobre o assunto e falamos com a equipa para nos prepararmos. Mas uma vez lá é completamente diferente. Fui ao leme de um pequena embarcação de salvamento e não se consegue imaginar com o que nos confrontamos. Salvámos 150 pessoas, 150 vidas estavam dependentes das nossas necessidades, um pequeno erro e não uma mas 10 ou 20 pessoas morrem, o que é horrível de pensar. Da segunda vez foi diferente, já sabia o que esperar. Ainda assim foi uma missão muito dura. Estávamos sobrelotados e estivemos 40 horas à espera de ajuda. Foi muito difícil estar preso no navio e ninguém vir em nossa ajuda apesar de termos enviado sinal de socorro. Nem os italianos, nem os malteses, nem o centro de coordenação de salvamento, nem os navios mercantes, nem a Operação Sophia, ninguém respondeu durante esse período. Foi muito intenso e aterrador, sem dúvida.

Esta experiência mudou-o?

Não vou dizer que foi exclusivamente por esta experiência, mas diria que toda a experiência nos faz uma pessoa diferente. Não conseguimos tirar todas as pessoas do mar, vemos pessoas a afogarem-se porque são demasiadas. Isso marca uma pessoa, não há dúvida. Mas não podemos ter o mesmo olhar ao sabermos do contexto e ao vermos como a política é feita e as decisões são tomadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.