Nadador australiano, de 99 anos, bate recorde mundial

George Corones bateu o recorde mundial na sua categoria, nos 50 metros livres

Aos 99 anos, o nadador George Corones bateu o recorde mundial nos 50 metros livres na sua faixa etária, entre os 100 e os 104 anos. A marca do australiano foi aceite, uma vez que completa 100 anos em abril. Corones terminou a prova em 56,12 segundos.

O nadador estava "bastante satisfeito" no final da prova, que decorreu em Gold Coast, em Queensland, na Austrália, que vai receber os Jogos da Commonwealth já no próximo mês.

"Foi uma prova exemplar para mim, bem equilibrada", disse o australiano à BBC. "Nesta idade ficamos cansados mais facilmente, mas se usarmos a nossa sensibilidade as recompensas são astronómicas", explicou o nadador, que atribuiu o seu sucesso ao ritmo e técnica que usa durante as provas.

Corones começou a nadar em criança. Deixou a natação no início da Segunda Guerra Mundial, mas retomou a modalidade aos 80 anos, para praticar exercício.

George Corones vai agora tentar bater o recorde mundial de 100 metros livres este sábado à noite. "Não sou novo de maneira nenhuma, mas estou ansioso pela prova e confiante que vou fazer bem", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.