Índia suspende venda de carros a gasóleo para proteger o ambiente

Para combater a poluição, o registo de carros a gasóleo será proibido até final de março

O Supremo Tribunal da Índia baniu temporariamente o registo de carros a gasóleo com cilindrada superior a 2.000 cc na capital, Nova Deli, para combater a poluição e o smog na cidade, uma das mais poluídas do mundo.

Segundo a proposta aprovada ontem, está proibido o registo de carros gasóleo com cilindrada superior a 2.000 cc, até dia 31 de março, na capital e nas áreas mais próximas - uma região com cerca de 16 milhões de habitantes.

Taxistas e condutores da Uber e serviços parecidos serão obrigados a substituir os seus carros gasóleo por automóveis a gás natural. É agora também proibido queimar lixo, segundo a Reuters.

Para o tribunal, a medida não vai afetar os "cidadãos comuns", pois os carros individuais não serão proibidos de circular. Camiões, por outro lado, estão proibidos de entrar na capital. Além disso, o imposto que estes veículos pagam para circular duplicou, passando agora a ser de 2.66 rupias, cerca de 35 euros.

Segundo a Reuters, a indústria automóvel já se mostrou insatisfeita com esta medida, pois afirma que cria uma incerteza no setor que vai afetar tanto investidores como os vendedores, que ficarão com carros nos stands de automóveis.

A Daimler AG, fabricante de automóveis da Mercedes-Benz, afirmou que a proibição "afetará gravemente" os planos de crescimento e investimento na Índia, um país que representa um quarto das vendas de carros gasóleo da marca.

"Também temos de considerar os despedimentos que vão acontecer nas concessionárias e locais onde se produzem motores a gasóleo", declarou outro vendedor, assumindo que ele próprio seria obrigado a dispensar pessoal.

Os defensores e organizadores de campanhas para proteger o ambiente e o advogado que colocou a proposta em tribunal não se mostraram totalmente satisfeitos, pois querem que a proibição se estenda a outras cidades.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.