Muro de Trump continua a barrar acordo orçamental

Discussões sobre verbas para o muro e o número de camas disponíveis nos centros de detenção das autoridades fronteiriças impedem entendimento. Paralisação de serviços públicos será realidade a partir de sexta-feira

As verbas exigidas pelo presidente Donald Trump para a construção de um muro na fronteira com o México - mais de cinco mil milhões de euros - e outros temas relacionados com o controlo da imigração, como o número de camas disponibilizadas aos centros de detenção fronteiriços, continuam a bloquear um acordo entre Democratas e Republicanos que impeça o bloqueio dos serviços públicos do país, avança o Washington Post.

Com o prazo até que o shut down se comece a tornar uma realidade a esgotar-se já na próxima sexta-feira, as últimas rondas negociais entre os partidos revelaram-se infrutíferas, com cada uma das partes a acusar a outra de inflexibilidade.

Já Donald Trump vai recorrendo ao seu meio de eleição, o twitter, para tentar fazer passar a sua mensagem. Neste domingo voltou à carga, citando uma sondagem da Gallup sobre imigração segundo a qual uma política de fronteiras abertas atrairia potencialmente 42 milhões de sul-americanos ao país.

De acordo com o Washington Post, no que respeita ao envelope financeiro a discussão entre os partidos políticos já se faz em valores muito inferiores aos reivindicados por Trump, estando em cima da mesa cerca de mil milhões de euros. Mas a questão das camas nos centros do U.S. Immigration and Customs Enforcement - considerada crucial pelos democratas para controlar o número de imigrantes detidos - continua a impedir um acordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.