Mural de beijo de Putin e Trump vandalizado

Desde maio que este grafíti tinha ganho popularidade, sagrando-se numa das obras de arte de rua mais conhecidas da Lituânia

O conhecido mural lituano que representa um beijo apaixonado de Vladimir Putin, presidente russo, e Donald Trump, candidato republicado à presidência dos Estados Unidos, foi vandalizado durante a noite desta quinta-feira.

Dominykas Ceckauskas, proprietário do restaurante onde estava pintado o ousado beijo, acredita que este foi um ato de "mais do que vandalismo". Segundo explica o dono do Keule Ruke no Facebook, este foi um "ataque terrorista contra a liberdade de expressão na Lituânia."

Situado em Vilnius, capital da República da Lituânia, o restaurante em causa tornara-se, em maio, na tela em branco para uma das obras de arte mais populares do país. Desde então, o mural da autoria de Mindaugas Bonanu transformara-se num "símbolo da liberdade e provocação."

Ceckauskas já prometeu reinstalar a obra de arte e sublinhou: "aceitamos o desafio sem medo. Continuaremos a defender a liberdade de expressão, a liberdade de Vilnius e a liberdade da Lituânia."

Ainda não é certo quem terá coberto o referido mural com tinta branca. O ato de vandalismo acontece num momento em que se assiste a uma escalada de tensão entre a Rússia e a Ucrânia, aliado militar da Lituânia.

A obra de Bonanu foi inspirada na polémica pintura de 1979 que representa um beijo de Leonid Brezhnev, antigo líder da União Soviética, e Erich Honecker, antigo presidente da República Democrática Alemã (ou Alemanha Oriental.)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...