Mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945

Nações Unidas alertam que há mais de 20 milhões de pessoas a enfrentar a fome em quatro países

O coordenador dos serviços humanitários das Nações Unidas disse hoje que o mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a enfrentar a fome em quatro países do mundo.

"Sem esforços globais coletivos e coordenados, as pessoas simplesmente vão morrer de fome" e "muitos mais vão sofrer e morrer de doenças", disse Stephen O'Brien no Conselho de Segurança da ONU.

O responsável humanitário das Nações Unidas pediu uma injeção imediata de fundos para o Iémen, Sudão do Sul, Somália e para o nordeste da Nigéria.

Segundo Stephen O'Brien, a maior crise humanitária está no Iémen, onde dois terços da população (18,8 milhões de pessoa) precisa de ajuda e mais de sete milhões não sabem de onde virá a próxima refeição.

O mesmo responsável disse ainda que atualmente há mais três milhões de pessoas com fome crónica do que em janeiro.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".