Mulher que tentou reuniões entre Trump e Putin acusada de ser espia russa

O Departamento de Justiça americano considera que Maria Butina tinha instruções para criar canais para influenciar as eleições de 2016

A russa Maria Butina, detida este domingo em Washinghton DC, é acusada pelo Departamento de Justiça americano de ser uma agente secreta ao serviço da Rússia, ou seja uma espia, que teve como missão criar canais de comunicação nos bastidores com políticos americanos durante a campanha para as eleições presidenciais de 2016, que elegeram Donald Trump.

Segundo o New York Times, a mulher de 29 anos, tentou promover dois encontros secretos entre o candidato Trump e Vladimir Putin, presidente russo, sendo que o Departamento de Justiça defende que os canais que Butina tentou criar seriam "usados pela Federação Russa para influenciar a decisão sobre o resultado das eleições para promover a agenda russa".

É precisamente a conduta de Maria Butina que é considerada como sendo parte de uma operação secreta russa. Esta acusação surge precisamente poucas horas depois de Trump e Putin terem estado reunidos no palácio presidencial de Helsínquia, na Finlândia, tendo o presidente americano considerado que não havia razão para o seu homólogo russo tentar influenciar as eleições, uma ideia que tem sido contrariada pelos responsáveis pelos serviços secretos americanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).