Mulher que acusa Kavanaugh de agressão sexual vai depor no Senado

Audição decorrerá durante a próxima semana

Christine Blasey Ford, a mulher que acusou de agressão sexual o juiz Brett Kavanaugh, nomeado por Donald Trump para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos, aceitou testemunhar perante o Senado, na próxima semana, disse este sábado o seu advogado.

Os termos exatos e a data específica para a audição de Christine Blasey Ford são desconhecidos, já que as negociações entre os advogados e a Comissão Judicial do Senado, encarregue de avaliar a idoneidade de Kavanaugh para juiz do Supremo, estão a decorrer.

O presidente da comissão senatorial, Chuck Grassley, deu aos advogados de Blasey Ford até à tarde deste sábado (hora local) para decidir se estava ou não disposta a depor perante a comissão.

Segundo a imprensa norte-americana, os advogados de Blasey Ford confirmaram a sua presença por 'e-mail', pouco antes do fim do prazo dado.

A norte-americana acusou o juiz Brett Kavanaugh de a agredir sexualmente numa festa, quando era aluna no ensino secundário na década de 1980, o que Kavanaugh negou em absoluto.

No entanto, Christine Blasey Ford insistiu na acusação e pediu uma investigação do FBI sobre a questão.

Estas alegações estão a atrasar o processo de confirmação do polémico juiz, considerado extremista conservador pelos democratas, que também o acusam de não ter demonstrado todos os antecedentes profissionais, ao contrário de anteriores indigitações para o Supremo Tribunal norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.