Mulher arrastada pelo metro em Roma

Situação levantou questões sobre a segurança do sistema de transportes na capital italiana

Uma mulher foi arrastada pelo metro de Roma depois de ficar presa na porta de uma das carruagens. Natalya Garkovich, de 43 anos, deu entrada nos cuidados intensivos de uma unidade hospitalar depois do incidente.

O momento foi captado pelas câmaras de segurança do metro da capital italiana. As imagens mostram a mulher a entrar na carruagem, mas depois decide sair e foi aí que ficou com a mala presa na porta e foi arrastada pela plataforma. De acordo com a BBC, que cita meios de comunicação locais, também é possível ver o condutor das carruagens, Gianluca Tonelli, a comer antes de arrancar.

"Sei que o que fiz está errado e estou devastado com o que aconteceu àquela mulher. Mas no vídeo também é possível ver que olhei duas vezes para o espelho. Não fui descuidado", disse Tonelli, que apenas percebeu o que tinha acontecido quando chegou à estação seguinte, ao Corriere della Sera.

A BBC acrescenta que o estado de Natalya Garkovich, natural da Bielorrússia, já terá melhorado, depois do acidente que aconteceu a 12 de julho, mas cujas imagens foram divulgadas apenas no passado fim de semana. A mulher sofreu múltiplas fraturas ósseas.

Vários passageiros dentro da carruagem terão puxado os travões de emergência, que não funcionaram, o que levou a que surgissem dúvidas sobre a segurança do metro da cidade. Na plataforma, várias pessoas tentaram também avisar o condutor, mas sem sucesso.

Carlo Rienzi, presidente de um grupo de defesa dos direitos dos utentes, defende, no entanto, o condutor do metro. "O sistema de emergência deve funcionar. Portanto, achamos ofensivo dizer que o condutor do comboio é inteiramente responsável, quando se deve investigar a segurança do metro de Roma", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.