Mugabe garante que não tenciona impor um sucessor

Presidente do Zimbabué celebrou nesta semana o 93.º aniversário. Eleições são em 2018.

O aniversário foi na terça-feira, mas foi ontem que Robert Mugabe reuniu os apoiantes para uma grande festa a assinalar os seus 93 anos. O presidente do Zimbabué garantiu que não tenciona impor um sucessor e que se o seu partido, a ZANU-PF, assim o exigir, pode realizar um congresso para escolher um novo líder. Mugabe, que, primeiro como chefe do governo e depois como chefe do Estado, domina com mão de ferro a política do Zimbabué desde que o país se tornou independente do Reino Unido, em 1980, é dado como certo na corrida às presidenciais do próximo ano.
Líder mais velho no poder no mundo, Mugabe dirigiu-se à multidão que se reuniu em Bulawayo, a segunda maior cidade do Zimbabué, para afirmar: "As pessoas dizem "Presidente, escolha um sucessor antes de se retirar", mas isso não é uma imposição? Não estarei a impor uma pessoa ao partido? Não, não quero isso." E sugeriu que, se assim o entender, a ZANU-PF deve organizar um congresso extraordinário para escolher um novo líder.
Mugabe é acusado de ser responsável pela ruína do que chegou a ser um país promissor devido às suas políticas: como a apreensão das terras dos proprietários brancos e a sua entrega aos negros, mal preparados para as cultivar. Visto como um pária no Ocidente, o presidente do Zimbabué atribuiu a sua longevidade à missão que lhe foi dada por Deus de "realizar todos os desejos e satisfazer todas as necessidades dos zimbabuense".

Ler mais

Exclusivos