Mugabe garante que não tenciona impor um sucessor

Presidente do Zimbabué celebrou nesta semana o 93.º aniversário. Eleições são em 2018.

O aniversário foi na terça-feira, mas foi ontem que Robert Mugabe reuniu os apoiantes para uma grande festa a assinalar os seus 93 anos. O presidente do Zimbabué garantiu que não tenciona impor um sucessor e que se o seu partido, a ZANU-PF, assim o exigir, pode realizar um congresso para escolher um novo líder. Mugabe, que, primeiro como chefe do governo e depois como chefe do Estado, domina com mão de ferro a política do Zimbabué desde que o país se tornou independente do Reino Unido, em 1980, é dado como certo na corrida às presidenciais do próximo ano.
Líder mais velho no poder no mundo, Mugabe dirigiu-se à multidão que se reuniu em Bulawayo, a segunda maior cidade do Zimbabué, para afirmar: "As pessoas dizem "Presidente, escolha um sucessor antes de se retirar", mas isso não é uma imposição? Não estarei a impor uma pessoa ao partido? Não, não quero isso." E sugeriu que, se assim o entender, a ZANU-PF deve organizar um congresso extraordinário para escolher um novo líder.
Mugabe é acusado de ser responsável pela ruína do que chegou a ser um país promissor devido às suas políticas: como a apreensão das terras dos proprietários brancos e a sua entrega aos negros, mal preparados para as cultivar. Visto como um pária no Ocidente, o presidente do Zimbabué atribuiu a sua longevidade à missão que lhe foi dada por Deus de "realizar todos os desejos e satisfazer todas as necessidades dos zimbabuense".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.