Mudança da hora tem os dias contados?

Parlamento Europeu questionou necessidade de adiantar e atrasar relógios e convidou a Comissão Europeia a estudar os efeitos da mudança

Os deputados do Parlamento Europeu pediram uma "avaliação pormenorizada" sobre a necessidade da mudança da hora, ou seja, de todos os anos adiantarmos e atrasarmos os relógios para o horário de inverno e horário de verão.

Desde 1996 que a mudança de hora é coordenada pela União Europeia, com todos os estados-membros a adiantarem os relógios no último domingo de março e a recuarem para o horário de inverno no último domingo de outubro.

A moção foi aprovada na quinta-feira depois de a ideia ter sido lançada pela Finlândia, que tem a capital mais norte da União Europeia, e pediu à UE para acabar com esta tradição.

Os críticos do sistema dizem que pode causar problemas de saúde a longo prazo, especialmente nas crianças pequenas e nos idosos, e apontaram para estudos que indicam que a mudança da hora tem impacto no sono e até na produtividade no trabalho.

Por outro lado, os adeptos da mudança da hora dizem que amanhecer mais cedo no inverno e ter luz solar até mais tarde no verão pode ajudar a reduzir os acidentes de trânsito e a poupar energia.

Em Estrasburgo, o Parlamento Europeu aprovou a moção por 384 votos contra 153, convidando a Comissão Europeia a estudar os efeitos da mudança e, se necessário, elaborar um plano de revisão. A Comissão, pelo seu lado, não se mostrou entusiasmada com a ideia, com a comissária eslovena Violeta Bulc a lembrar que se uns mudarem e outros não será problemático para o mercado único.

No resto do mundo, países como os Estados Unidos também mantém a tradição da mudança da hora, um hábito que começou no início do século passado, associado ao racionamento de energia na I Guerra Mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.