Autoridades brasileiras garatem que empresa conhecia risco em barragem de Brumadinho desde outubro

O acidente ocorreu a 25 de janeiro, quando uma das barragens onde a empresa mineira Vale armazenava resíduos rebentou, provocando uma avalanche de lama que soterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais causando pelos menos 165 mortos e 155 desaparecidos.

O Ministério Público de Minas Gerais sustenta que a mineradora brasileira Vale conhecia o risco de rutura da barragem desde outubro de 2018, cujo acidente em janeiro já causou pelos menos 165 mortos e 155 desaparecidos em Brumadinho.

De acordo com uma ordem judicial de uma das ações movidas contra a Vale, tornada pública na segunda-feira, o Ministério Público apresentou "documentos que mostram que, em outubro de 2018", a empresa sabia que dez barragens, de um total de 57, estavam em risco, incluindo a da cidade brasileira de Brumadinho.

"Os documentos recolhidos pela acusação" mostram que "em outubro 2018 já havia sido constatado" pela Vale "o grau de risco de rutura" dessas barragens, segundo o magistrado Sérgio Henrique Cordeiro que salienta o facto daquelas estruturas terem sido, contudo, indicadas como seguras pela empresa.

Também na segunda-feira, a Agência Nacional de Mineração do Brasil (ANM) informou que as empresas mineiras terão de realizar inspeções diárias em barragens de resíduos idênticas à de Brumadinho.

Na sua página na internet, a ANM adiantou que as empresas que não cumpram as inspeções diárias poderão ser multadas e até terem a barragem interditada.

A barragem que colapsou em Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, foi feita através do método de alteamento a montante, no qual se constroem degraus com os próprios resíduos, sendo o método mais simples e também o menos seguro.

Essa foi também a técnica de construção usada na barragem da empresa Samarco, que rebentou em 2015, na cidade de Mariana, igualmente no estado de Minas Gerais, onde, aliás, se encontra a maior concentração deste tipo de estruturas.

O desastre em Brumadinho ocorreu a 25 de janeiro, quando uma das barragens nas quais a empresa mineira Vale armazenava resíduos rebentou, provocando uma avalanche de lama que soterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.