#MosqueMeToo. Muçulmanas denunciam abusos na peregrinação a Meca

Hashtag surgiu depois de uma mulher ter revelado ter sido assediada na "cidade santa" do Islão. Medo de represálias levou a que a questão fosse sendo adiada

Numa altura em que os maus tratos, o assédio e os abusos sexuais estão nas bocas do mundo devido aos escândalos que assolaram Hollywood, é a vez de a religião muçulmana se ver envolvida neste tipo de assuntos. E se para Hollywood surgiu o movimento #MeToo, surge em torno do Islão o movimento #MosqueMeToo.

O hashtag surgiu como forma de defesa e divulgação da situação por parte de mulheres muçulmanas durante a Hajj - peregrinação a Meca - e tudo terá acontecido junto à Kaaba, construção cúbica que é uma das mais importantes para o mundo muçulmano.

Sabica Khan, uma paquistanesa, divulgou aquilo de que foi alvo no Facebook, mas viu-se depois obrigada a fechar a sua conta na rede social. O El País, no entanto, cita o que a mulher escreveu nessa publicação: "Durante a minha sexta volta [à Kaaba], reparei de repente que algo estava a ser pressionada com muita força. Fiquei paralisada, sem saber se era algo intencional".

Acrescenta que sentiu depois uma mão na cintura e nas nádegas, e foi aí que se virou para tentar perceber quem a estava a assediar. Não conseguiu perceber, a multidão era gigantesca. Não denunciou também a situação, por achar que ninguém ia acreditar nela, ou que ia sofrer represálias.

"Todas as minhas memórias da peregrinação à cidade santa ficaram ofuscadas por esse acontecimento horrível. Fiquei petrificada. Não podia fugir, então parei para ver o que estava a acontecer, mas não consegui ver quem era", acrescentou.

Várias muçulmanas identificaram-se com a publicação de Sabica Khan e acabaram por partilhar as suas experiências desagradáveis quando davam as sete tradicionais voltas à Kaaba, explica também o jornal espanhol. Durante a Hajj, podem estar mais de dois milhões de fiéis em Meca.

Quem criou a hashtag, no entanto, não foi Sabica Khan, mas sim Mona Eltahawy, que declarou ao El País que ficava "feliz por ver as mulheres a expor os abusos que sofreram durante a Hajj". Ativista e feminista egípcio-norte-americana, Khan lançou o #MosqueMeToo. Mona Eltahawy confessa ter passado pela mesma experiência em 1982, com 15 anos, algo que viria a revelar 30 anos depois e também no seu livro Headscarves and Hymens: Why the Middle East Needs a Sexual Revolution. Nessa obra, conta que durante anos não contou nada a ninguém, nem aos seus pais, por não ter confiança e por a santidade da peregrinação tornar as coisas muito complicadas.

"Há vários anos que falo deste assunto e sempre encontrei mulheres que me diziam também ter acontecido com elas. Mas é difícil avaliar o alcance do problema porque com o tabu e a vergonha que acompanham os abusos sexuais vem também o facto de ter acontecido no lugar mais sagrado do Islão, o que aumenta ainda mais a pressão sobre as mulheres para que fiquem em silêncio. Nós, muçulmanas, estamos num beco sem saída", explica ainda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...