"Chacina de 2017" vai ser investigada

O caso aconteceu em agosto 2017. 64 mil animais foram despachados num barco em direção ao Médio Oriente. 2400 morreram de calor e stress

O caso aconteceu na Austrália, um dos maiores produtores de ovelhas do mundo. Em agosto de 2017, 64 mil animais foram colocados num barco em direção ao Médio Oriente. O calor e o stress foram a principal razão de morte de 2400 animais.

A situação foi agora denunciada, através de um vídeo da Animals Australia que chegou esta quarta-feira às mãos do ministro da agricultura australiano, David Littleproud.

Nas imagens viam-se ovelhas mortas e em decomposição.

"O que eu vi é muito perturbador. Estou chocado e sem palavras", pode ler-se no artigo publicado pelo ABC News da Austrália.

"Este é o meio de subsistência dos agricultores australianos. O que vai naquele navio é o maior orgulho e alegria dos agricultores e o que eu vi é péssimo".

O navio da Emanuel Exports partiu de Fremantle a 1 de agosto, transportando 63.804 ovelhas com destino ao Catar, Kuwait e Emirados Árabes Unidos. Ele foi submetido a uma investigação padrão pelo ministério do ambiente. Mas isso não chega e o ministro da agricultura fez questão de dizer que as coisas "não podem continuar assim".

Por isso, vai ser aberta uma investigação. Littleproud teve uma reunião urgente com o ministério da agricultura desde que tomou conhecimento deste incidente.

"Pedi mais informações. Também escrevi para a indústria de exportação de animais vivos. Nós vimos ovelhas que basicamente morreram de calor que foram abandonas, incapazes de chegar à água e comida, e me incomoda muito que isso tenha acontecido."

Por isso, agradece à Animals Australia a divulgação das imagens.

A associação de proteção dos animais recusou-se a fazer mais comentários, para além de dizer que a visão "chocaria os agricultores e a comunidade".

"Este anúncio do ministro fala da gravidade desta situação e da força das evidências fornecidas ao governo", disse o grupo ativista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.