"Chacina de 2017" vai ser investigada

O caso aconteceu em agosto 2017. 64 mil animais foram despachados num barco em direção ao Médio Oriente. 2400 morreram de calor e stress

O caso aconteceu na Austrália, um dos maiores produtores de ovelhas do mundo. Em agosto de 2017, 64 mil animais foram colocados num barco em direção ao Médio Oriente. O calor e o stress foram a principal razão de morte de 2400 animais.

A situação foi agora denunciada, através de um vídeo da Animals Australia que chegou esta quarta-feira às mãos do ministro da agricultura australiano, David Littleproud.

Nas imagens viam-se ovelhas mortas e em decomposição.

"O que eu vi é muito perturbador. Estou chocado e sem palavras", pode ler-se no artigo publicado pelo ABC News da Austrália.

"Este é o meio de subsistência dos agricultores australianos. O que vai naquele navio é o maior orgulho e alegria dos agricultores e o que eu vi é péssimo".

O navio da Emanuel Exports partiu de Fremantle a 1 de agosto, transportando 63.804 ovelhas com destino ao Catar, Kuwait e Emirados Árabes Unidos. Ele foi submetido a uma investigação padrão pelo ministério do ambiente. Mas isso não chega e o ministro da agricultura fez questão de dizer que as coisas "não podem continuar assim".

Por isso, vai ser aberta uma investigação. Littleproud teve uma reunião urgente com o ministério da agricultura desde que tomou conhecimento deste incidente.

"Pedi mais informações. Também escrevi para a indústria de exportação de animais vivos. Nós vimos ovelhas que basicamente morreram de calor que foram abandonas, incapazes de chegar à água e comida, e me incomoda muito que isso tenha acontecido."

Por isso, agradece à Animals Australia a divulgação das imagens.

A associação de proteção dos animais recusou-se a fazer mais comentários, para além de dizer que a visão "chocaria os agricultores e a comunidade".

"Este anúncio do ministro fala da gravidade desta situação e da força das evidências fornecidas ao governo", disse o grupo ativista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.