"Morte aos traidores". O que Thomas Mair gritou em tribunal

Thomas Mair, de 52 anos, é acusado do homicídio da deputada trabalhista Jo Cox, de 41 anos

Thomas Mair, o presumível suspeito do assassínio, na quinta-feira, da deputada britânica pró União Europeia (UE) Jo Cox, gritou hoje "morte aos traidores" e "liberdade para o Reino Unido" ao ser interrogado pela primeira vez no tribunal londrino de Westminster.

Na primeira sessão de interrogatório, Thomas Mair, 52 anos, recusou confirmar a sua identidade e foi acusado de homicídio voluntário da deputada trabalhista britânica, de 41 anos, morta a tiro quando fazia campanha na sua circunscrição de Bisrtall, norte de Inglaterra, a favor da manutenção do Reino Unido na UE, cujo referendo se realizará na próxima quinta-feira.

A reação do suspeito ocorreu depois de ter sido acusado da morte da deputada trabalhista britânica.

As afirmações do suspeito durante o interrogatório no Tribunal de Westminster, onde são normalmente julgados os crimes ligados ao terrorismo, vieram dar conforto às diferentes testemunhas que, desde a morte de Jo Cox, têm ajudado nas investigações.

Particularidade da lei britânica, a acusação formal de um suspeito significa, na prática, que a imprensa deixa de ter autorização para publicar informações sobre as investigações, nomeadamente sobre as possíveis motivações do suspeito.

Segundo a agência France Presse, 48 horas após o assassínio de Jo Cox, que deixa viúvo e duas filhas menores, a emoção continua presente no Reino Unido.

Hoje, os partidários do "sim" e do "não" no referendo sobre uma eventual saída de Inglaterra da UE, conhecido por "Brexit", mantiveram suspensas as respetivas campanhas.

Boris Johnson, líder dos pró-Brexit, não efetuará qualquer comício em Birmingham, como estava previsto no calendário, enquanto o movimento "Britain Stronger In" (Reino Unido Mais Forte Dentro (da UE)) anulou dezenas de iniciativas em todo o país.

Várias figuras políticas, como Jeremy Corbyn, George Osborne ou Nigel Farage, deverão aparecer apenas no domingo na televisão em emissões de cariz político, enquanto David Cameron, primeiro-ministro britânico, será entrevistado à noite na BBC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.