Um morto e dois feridos. Daesh reivindica ataque em Melbourne

Polícia começou por responder a um incêndio num carro. Acabou por balear um homem que morreu no hospital. Daesh reivindicou o ataque.

Uma das pessoas esfaqueadas esta sexta-feira num ataque no centro de Melbourne, na Austrália, morreu, anunciou a polícia australiana, adiantando que o suspeito do ataque foi travado pelas autoridades e morreu no hospital. O Daesh, através da sua agência de notícias, reivindicou o ataque, refere a Reuters.

A polícia australiana avançou ainda que duas pessoas ficaram feridas no centro de Melbourne, no sudeste da Austrália, tendo sido assistidas no local e depois transportadas para o hospital.

O suspeito foi alvejado pela polícia depois de ter tentado agredir as autoridades policiais perto de um carro em chamas.

"Um homem foi detido no local e foi transportado sob escolta policial para o hospital em estado crítico", acrescentou a polícia.

O incidente ocorreu numa zona com várias empresas por volta das 16:20, quando as pessoas começavam a sair do trabalho.

Os meios de comunicação locais transmitiram imagens de um homem alto a tentar esfaquear os polícias perto de um carro em chamas antes de ser baleado.

A polícia pediu que à população não se desloque para aquela área, apesar de não haver mais suspeitos.

"Nós ainda não estamos à procura de mais ninguém", disseram os investigadores, referindo que "ainda se desconhecem os motivos do ataque".

Pede ainda ajuda na recolha de imagens ou vídeos que possam ajudar na investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.