Morreu sem-abrigo português junto ao Parlamento britânico

Dirigente trabalhista deixou flores no local onde o corpo do homem, um ex-modelo, foi encontrado

Um sem-abrigo com cerca de 40 anos e de nacionalidade portuguesa, foi encontrado morto esta quarta-feira de manhã numa entrada subterrânea do Metro próxima do Parlamento britânico. O homem era conhecido das equipas de rua e tinha sido modelo no passado. Desconhece-se a causa da morte, mas as autoridades não a estão a investigar como suspeita.

O homem chegou a ser ajudado por funcionários que trabalhavam para o dirigente trabalhista Jeremy Corbyn que, assim que soube da morte do sem-abrigo, deixou flores e um postal no local onde o português foi encontrado sem vida.

O sem abrigo era ajudado por uma instituição de caridade londrina, The Connection, e a equipa que o acompanhava estava a tentar encontrar um emprego ao português: na semana passada o homem tinha enviado uma candidatura para um emprego de empregado de mesa.

Um porta-voz da instituição de caridade, citado pelo Huffington Post, disse que todos ficaram "profundamente entristecidos" pela morte do português. "Ele tinha trabalhado como modelo", revelou.

"Apesar das circunstâncias complexas da sua vida, ele gostava de cantar e frequentava aulas de ioga regularmente", acrescentou o porta-voz.

"Ele tinha forças, talentos e habilidades, mas também teve problemas e as coisas ficaram muito complicadas. O apoio demonstrado pelo público em geral para com a sua situação tem sido muito comovente", disse Pam Orchard, um dos principais responsáveis pelo apoio aos sem-abrigo.

Os deputados, que conheciam o sem-abrigo, uma vez que este costumava ficar muitas vezes naquela entrada subterrânea, local de passagem para o Parlamento, revelaram ter ficado em choque quando a polícia fechou aquela entrada, na estação de metro de Westminster, depois do corpo ter sido encontrado.

O líder trabalhista Jeremy Corbyn colocou flores no local e um cartão onde se lia: "Isto não podia ter acontecido".

Um inquérito sobre a morte do homem vai ser aberto, mas a polícia diz que a morte não está a ser tratada como suspeita.

Um porta-voz do Conselho da Cidade de Westminster, cujos trabalhadores descobriram o homem às 7h15 e tentaram desesperadamente ressuscitá-lo, disse: "Este é um incidente muito triste e vamos trabalhar com a polícia para estabelecerem a causa da morte".

"Enquanto isso, qualquer pessoa preocupada com os sem-abrigo pode visitar o Street Link para alertar as nossas equipas e permitir-nos ajudar", acrescentou.

Uma porta-voz do Mayor de Londres, Sadiq Khan, declarou que este "ficou profundamente triste" ao saber da morte do sem-abrigo.

Números divulgados em janeiro indicam que o número de pessoas sem-abrigo em Inglaterra aumentou 73% desde 2014.

A vereadora de Westminster Rachael Robathan, responsável pelo pelouro para a habitação, lamentou o que aconteceu, num depoimento enviado à Lusa.

"Há muitas vezes razões complexas pelas quais as pessoas acabam a dormir nas ruas. Mas seja qual for o plano de fundo, estas são pessoas que precisam de cuidados e apoio", afirmou.

Westminster conta anualmente com cerca de 3 mil sem-abrigo por ano e a autarquia tem equipas de contacto todas as noites que tentam evitar que as pessoas passem mais de duas noites na rua, além de meios de sinalização de pessoas nessa situação.

Toxicodependência, problemas de saúde mental e violência doméstica são algumas das causas identificadas.

"As razões por detrás da trágica morte deste homem não são claras e estamos a trabalhar para perceber o que aconteceu", garantiu.

A Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, contactada pela agência Lusa, disse que está a acompanhar o caso.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".