Morreu Rick Genest, o modelo conhecido como "Zombie Boy"

Manequim terá tirado a própria vida. Lady Gaga classificou a morte do canadiano de "devastadora"

Rick Genest, o manequim conhecido como "Zombie Boy", devido ao corpo coberto de tatuagens de ossos e órgãos, foi encontrado morto, aos 32 anos, na sua casa, em Montreal. A polícia suspeita que terá cometido suicídio, seis dias antes do seu 33º aniversário.

Genest começou a tatuar o corpo aos 16 anos e chegou a viver nas ruas do Canadá, até chamar a atenção de Lady Gaga, que o convidou para participar no videoclipe da música "Born this Way", em 2011. A participação trouxe reconhecimento mundial ao canadiano.

Lady Gaga manifestou pesar pela morte do "Zombie Boy", classificando a morte do modelo de "devastadora" e alertou para a importância da saúde mental.

"Temos que nos esforçar mais para mudar a cultura, trazer a saúde mental para o primeiro plano e acabar com o estigma de que não podemos falar sobre isso", escreveu a cantora na rede social Twitter. "Se está a sofrer, ligue para um amigo ou família ainda hoje. Devemos salvar-nos", acrescentou.

Rick Genest desfilou para o estilista francês Thierry Mugler, apareceu na Vogue Japan e foi o rosto da marca Rocawear, do rapper Jay-Z.

Recorde o vídeo oficial de "Born This Way":

Linha de ajuda para prevenção do suicídio SOS Voz Amiga: 213 544 545 - 912 802 669 - 963 524 660 / Diariamente das 16h às 24h
Linha Verde gratuita - 800 209 899 / Entre as 21.00 e as 24.00 horas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.