Morreu o orangotango que comunicava em língua gestual

Chantek tinha 39 anos e foi um dos primeiros primatas a aprender língua gestual

O orangotango Chantek, um dos primeiros primatas a aprender língua gestual, morreu aos 39 anos no jardim zoológico de Atlanta, Geórgia.

As causas da morte são ainda desconhecidas, apesar de o orangotango sofrer há vários anos de uma doença cardíaca progressiva. Ainda assim, Chantek era um dos machos mais velhos da sua espécie, sendo que os orangotangos são considerados idosos a partir dos 35 anos.

Antes de habitar o jardim zoológico, Chantek viveu durante nove anos com o antropóloga Lyn Miles, aprendendo a limpar o quarto, a criar e utilizar ferramentas e a memorizar o trajeto até um restaurante de fast food.

O orangotango era um dos poucos primatas que conseguia comunicar com recurso a língua gestual, recorrendo frequentemente a esta linguagem para comunicar com os tratadores do jardim zoológico. Chantek foi ainda protagonista do documentário "The Ape Who Went to College" ("O macaco que foi à universidade", numa tradução literal) lançado em 2014, que mostrava as habilidades que o orangotango havia aprendido.

Num comunicado, o jardim zoológico de Atlanta afirmou que Chantek "tinha uma personalidade única e envolvente e formas especiais de se relacionar e comunicar com aqueles que melhor o conheciam. Foi um privilégio tê-lo connosco durante 20 anos e ter a oportunidade de lhe oferecer um ambiente naturalista onde ele pudesse conhecer e viver com a sua família de orangotangos."

O Zoo afirmou ainda que a falta de Chantek será "para sempre sentida pela sua família".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.