Morreu o orangotango que comunicava em língua gestual

Chantek tinha 39 anos e foi um dos primeiros primatas a aprender língua gestual

O orangotango Chantek, um dos primeiros primatas a aprender língua gestual, morreu aos 39 anos no jardim zoológico de Atlanta, Geórgia.

As causas da morte são ainda desconhecidas, apesar de o orangotango sofrer há vários anos de uma doença cardíaca progressiva. Ainda assim, Chantek era um dos machos mais velhos da sua espécie, sendo que os orangotangos são considerados idosos a partir dos 35 anos.

Antes de habitar o jardim zoológico, Chantek viveu durante nove anos com o antropóloga Lyn Miles, aprendendo a limpar o quarto, a criar e utilizar ferramentas e a memorizar o trajeto até um restaurante de fast food.

O orangotango era um dos poucos primatas que conseguia comunicar com recurso a língua gestual, recorrendo frequentemente a esta linguagem para comunicar com os tratadores do jardim zoológico. Chantek foi ainda protagonista do documentário "The Ape Who Went to College" ("O macaco que foi à universidade", numa tradução literal) lançado em 2014, que mostrava as habilidades que o orangotango havia aprendido.

Num comunicado, o jardim zoológico de Atlanta afirmou que Chantek "tinha uma personalidade única e envolvente e formas especiais de se relacionar e comunicar com aqueles que melhor o conheciam. Foi um privilégio tê-lo connosco durante 20 anos e ter a oportunidade de lhe oferecer um ambiente naturalista onde ele pudesse conhecer e viver com a sua família de orangotangos."

O Zoo afirmou ainda que a falta de Chantek será "para sempre sentida pela sua família".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.