Morreu o marinheiro do beijo mais famoso da II Guerra Mundial

O momento de celebração da vitória na guerra foi captado em Times Square, Nova Iorque. George Mendonsa, lusodescendente, tinha 95 anos.

O marinheiro que ficou para a história por ter sido fotografado a beijar uma enfermeira em Times Square, Nova Iorque, em celebração do fim da II Guerra Mundial, morreu nesta segunda-feira, aos 95 anos.

George Mendonsa, que era lusodescendente, sucumbiu após uma queda, seguida de convulsão, no lar onde vivia, em Middletown, Rhode Island.

A notícia foi dada pela filha de Mendonsa​​​​​, Sharon Molleur, que disse ao The Providence Journal que Mendonsa caiu e teve uma convulsão no domingo, no centro de vida assistida em Middletown, Rhode Island, onde morou com a mulher de 70 anos.

A imagem de Mendonsa correu mundo para o mostrarem a beijar Greta Zimmer Friedman, uma assistente de dentista que no dia 14 de agosto de 1945 usava um uniforme de enfermeira. A foto de Alfred Eisenstaedt tornou-se uma das mais famosas fotografias do século XX.

George foi o marinheiro que tecnologia facial identificou como o protagonista do beijo em Times Square. Durante anos, deu entrevistas e mostrou provas que guardava consigo para certificar que era mesmo ele que estava num dia de folga nas ruas de Nova Iorque, com uma outra mulher, Rita Petry, mas que quando ouviu que a guerra tinha acabado não resistiu e beijou a mulher que passava ao seu lado.Essa mulher era Greta Firedman, que morreu aos 92 anos,e m 2016.

Mas, nestes 70 anos, houve 11 marinheiros e três enfermeiras a reivindicarem serem os protagonistas desta imagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?