Morreu Lyudmila Alexeyeva, a mais antiga ativista dos direitos humanos russa

Putin enalteceu a sua contribuição para a sociedade civil e a "defesa enérgica dos seus princípios". Tinha 91 anos.

A mais antiga ativista dos direitos humanos russa e ex-dissidente soviética Lyudmila Alexeyeva morreu hoje, num hospital em Moscovo, aos 91 anos.

O anúncio foi feito em comunicado pelo presidente do Conselho Consultivo para os Direitos do Homem no Kremlin, Mikhaïl Fedotov.

O presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu as condolências à família de Lyudmila Alexeyeva e enalteceu, através do seu porta-voz, a sua contribuição para a sociedade civil e a "defesa enérgica dos seus princípios".

Lyudmila Alexeyeva foi um dos membros fundadores do Grupo de Helsínquia de Moscovo, criado para fiscalizar o cumprimento pela União Soviética dos Acordos de Helsínquia de 1975.

Na Ata Final de Helsínquia, assinada na capital finlandesa, por 35 estados, incluindo Portugal e a União Soviética, comprometeram-se a melhorar as relações entre o Ocidente e os países comunistas.

Alexeyeva ganhou, em 2004, o Prémio Olof Palme e, em 2009, o Prémio Sakharov, tendo sido 'nomeada', em 2012 e 2013, para o Prémio Nobel da Paz. Mais recentemente, em 2015, recebeu o Prémio Václav Havel de Direitos Humanos.

Natural da Crimeia (região disputada pela Rússia e Ucrânia), Lyudmila Alexeyeva escreveu várias petições em defesa dos presos políticos e em protesto contra a invasão soviética da Checoslováquia em 1968, o que lhe custou a expulsão do Partido Comunista.

Perante a ameaça de detenção, emigrou em 1977 para os EUA, regressando ao seu país de origem em 1993, dois anos depois da queda da União Soviética.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.