Morreu Joël Robuchon, o cozinheiro do século

Com 32 estrelas, restaurantes na Europa, na Ásia e na América do Norte, Joël Robuchon morreu esta segunda-feira aos 73 anos

Inspiração para muitos chefs de cozinha em todo o mundo, como o britânico Gordon Ramsay, Jöel Robuchon foi nomeado o "cozinheiro do século" nos anos 1990 pelo guia Gault&Millau e era atualmente o chefe com mais estrelas Michelin. 32.

Nascido numa família modesta de Poitiers, em França, teve que começar a trabalhar cedo, com 15 anos. Quando os pais se divorciaram foi preciso arranjar um ganha-pão e começou a aprender no restaurante Le Relais de Poitiers. Chegou, segundo a revista Madame Figaro, a trabalhar 14 horas por dia. Sem folgas durante períodos que podiam durar seis meses, disse, admitindo que foi um pouco explorado.

Conhecido pelo seu perfeccionismo e exigência, às vezes descritos como tirania na cozinha, dizia só ter um objetivo: ser o melhor. E assim foi. Ergueu um império gastronómico que ultrapassou completamente as fronteiras do seu país natal. Muito inspirado na cozinha asiática, tinha restaurantes na Europa, na Ásia e na América do Norte, participou em programas televisivos de gastronomia, escreveu livros de cozinha, teve parcerias importantes com grandes marcas de distribuição.

Paris, Macau, Hong Kong, Banguecoque, Tóquio, Las Vegas, Montreal ou Nova Iorque são algumas das cidades que contam com restaurantes seus. Robuchon é considerado o mais influente chef da era do pós-nouvelle cuisine, forma de cozinhar e apresentar francesa usada a partir dos anos 1970, caracterizada pela leveza e delicadeza dos pratos, bem como da sua apresentação. O seu puré de batata, a sua tarte de trufas ou os seus raviolis de lagostins são algumas das especialidades destacadas esta segunda-feira em artigos da imprensa internacional.

Depois de umas análises ao sangue com resultados "horríveis" com "uma elevada taxa de colesterol, tensão arterial e glicémia", como contou ao jornal norte-americano New York Post, em outubro de 2017, o chef decidiu lançar-se numa dieta. Aconselhado por Nadia Volf, especialista em nutrição e auriculoterapia, a viver em Paris, que lhe disse para mudar radicalmente de hábitos. Nada de gordura, manteiga, azeite, nada de açúcar no café. Tudo isso tinha que acabar. Assim fez. Perdeu 27 quilos em quatro meses. Robuchon, que sofria de cancro no pâncreas, por causa do qual fora operado há um ano, acabou por morrer esta segunda-feira, em Genebra, na Suíça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.