Morreu o antigo chanceler alemão Helmut Schmidt aos 96 anos

O histórico chanceler morreu em Hamburgo

O ex-chanceler alemãoHelmut Schmidt morreu hoje, aos 96 anos, depois de o seu estado de saúde se ter degradado significativamente no último fim de semana, indicou a agência de notícias alemã.

O antigo dirigente social-democrata, chanceler de 1974 a 1982, era um grande fumador, tinha um pacemaker desde 1981 e teve em 2012 um enfarte do miocárdio, tendo sido submetido a um 'bypass' coronário.

Tornou-se chanceler em 1974 após a demissão de outra grande figura da social-democracia alemã, Willy Brandt, e foi reconduzido em 1976 e 1980. Inflexível face à violência do grupo de extrema-esquerda Fração do Exército Vermelho (RAF), também conhecido como Baader-Meinhof, Schmidt foi o homem das reformas sociais e da distensão com o Leste.

O "chanceler de ferro" foi o primeiro a denunciar a implantação dos mísseis balísticos soviéticos SS-20, em 1977, e a defender a dos euromísseis da NATO. Europeu convicto, criticou o modo como o seu sucessor Helmut Kohl conduziu a unificação da Alemanha.

Schmidt foi ainda o "pai", com o antigo presidente francês Valéry Giscard d'Estaing, do sistema monetário europeu. Retirado da vida política há mais de 30 anos, ainda recentemente contribuía para os debates políticos e intelectuais do seu país.

Autor de três dezenas de livros, foi chefe de redação (1983) e depois diretor (1985-1989) do Die Zeit, um dos mais prestigiados semanários alemães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.