Morreu a mulher que inspirou a operária "Rosie" da II Guerra Mundial

O cartaz tornou-se um símbolo do feminismo e o nome "Rosie the Riveter"

Morreu a mulher que inspirou a personagem "Rosie the Riveter", a icónica operária da II Guerra Mundial do cartaz que garantia que "era possível" e que se tornou, décadas depois, uma imagem de marca do feminismo. Naomi Parker Fraley morreu no sábado em Longview, aos 96 anos, segundo noticiou o The New York Times.

Apesar de ao longo dos anos várias mulheres terem apontadas como "candidatas" a serem a Rosie da vida real, uma investigação de um académico, James J. Kimble, concluiu em 2016 que Fraley tinha sido a inspiração do famoso cartaz.

O cartaz foi desenhado por J. Howard Miller em 1943 e não era, ao que tudo indica, para consumo público: tinha como objetivo desincentivar o absentismo durante a guerra na Westinghouse Electric Corporation.

Mas mais de 30 anos depois, nos anos 80, foi recuperado e tornou-se famoso, um símbolo do feminismo, e o nome "Rosie the Riveter" foi aplicado retroativamente às mulheres operárias que participaram no esforço de guerra.

Fraley nasceu em Tulsa, Oklahoma, em 1921, uma dos sete filhos de um engenheiro de minas e de uma dona de casa. Depois do ataque a Pearl Harbor, foi trabalhar para a uma base naval, tendo sido uma das primeiras mulheres no local. Depois da guerra, trabalhou como empregada de mesa na Califórnia, casou três vezes e teve filhos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.