Montanha de lixo colapsa e enterra 40 casas. Pelo menos seis mortos

São descarregadas diariamente 23 milhões de toneladas de lixo e 800 toneladas de resíduos sólidos suplementares em lixeira a céu aberto

Pelo menos seis pessoas morreram hoje no Sri Lanka na sequência do colapso de uma montanha de lixo que enterrou cerca de 40 casas numa favela, anunciaram as autoridades locais.

Os bombeiros deslocaram-se a Kolonnawa, no limite nordeste de Colombo, a capital do Sri Lanka, depois de uma montanha de lixo com cerca de 91 metros de altura, destabilizada durante a noite devido a chuvas torrenciais, ter pegado fogo e ter desabado sobre as habitações, adianta a Agência France Presse (AFP).

Três cadáveres foram retirados dos escombros e um rapaz de 12 anos e dois adolescentes morreram já no hospital, onde outras dez pessoas estão a receber tratamento.

Centenas de soldados foram mobilizados para o local do acidente, depois de o presidente Maithripala Sirisena ter ordenado ao exército e à polícia que dessem apoio aos bombeiros.

Segundo a polícia local, num comunicado citado pela AFP, "está em curso uma operação de busca por sobreviventes".

"Acreditamos que 40 casas foram destruídas", disse aos jornalistas um responsável do serviço encarregado da gestão de catástrofes.

Os habitantes da zona onde aconteceu o acidente denunciaram várias vezes a devastação ambiental causada pela lixeira a céu aberto, onde são descarregadas diariamente 23 milhões de toneladas de lixo e 800 toneladas de resíduos sólidos suplementares.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.