"Monstro" de lixo e gordura está a entupir esgoto em Londres

Limpeza vai levar três semanas com muita mão-de-obra e maquinaria

Foi encontrada uma gigantesca massa formada por gordura, fraldas, toalhitas, óleo congelado e outros resíduos humanos de cerca de 130 toneladas a entupir os esgotos em Whitechapel, Londres, Reino Unido. A massa - em inglês, chamada de "fatberg", ou icebergue de gordura - tem mais de 260 metros de comprimento, ou seja, tem mais comprimento do que dois estádios de futebol, por exemplo.

Serão necessárias cerca de três semanas para retirar a massa do local, libertando o esgoto. Matt Rimmer, diretor do departamento de rede de resíduos da empresa Thames Water, responsável pela distribuição e tratamento de água, disse que esta é a maior massa de gordura alguma vez encontrada no local.

"É um grande monstro e vai ser necessária muita mão-de-obra e maquinaria para a remover porque é dura", disse Rimmer, citado pelo Telegraph. "É basicamente como tentar partir uma parede de cimento".

Oito homens vão usar mangueiras de alta pressão para partir a massa e depois aspirar os pedaços com camiões. Os resíduos serão depois levados para um local de reciclagem em Stratford.

"É frustrante porque estas situações são totalmente evitáveis e provocadas pela gordura, óleo e banha que são deitados nos lavatórios e pelas toalhitas deitadas pelas sanitas abaixo", continuou Rimmer.

"Nós verificamos os esgotos regularmente mas estas coisas conseguem acumular-se muito rapidamente e provocar problemas de inundações, porque o lixo é bloqueado", explicou o responsável.

Rimmer disse que desta vez alguns parques de estacionamento tiveram de ser encerrados para os funcionários conseguirem aceder aos esgotos, mas já aconteceu pior. "Muitas vezes temos de fechar estradas inteiras" para limpar os esgotos, "o que perturba a cidade", explicou o responsável.

A empresa Thames Water gasta cerca de um milhão de libras por mês a limpar os bloqueios nos esgotos. Estes são provocados por toalhitas, fraldas, cotonetes, produtos sanitários, preservativos, gordura e óleo.

"Os esgotos não são um abismo para o lixo doméstico", disse o responsável, pedindo às pessoas que coloquem estes itens no lixo e deixem o óleo usado na cozinha nos locais apropriados.

Em Portugal, existem Centros de Receção de Resíduos onde o óleo usado pode ser entregue. Segundo o site O Meu Ecoponto, caso não consiga entregá-lo num centro apropriado, "deverá armazenar o óleo numa garrafa e posteriormente deposita-la no caixote dos resíduos indiferenciados (lixo). Em situação alguma despeje o óleo na rede de esgoto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.