Monges revoltados por terem a sua cerveja à venda por 10 euros

A bebida em questão tem sítios específicos para ser comprada ou consumida e não é suposto estar à venda em supermercados. Porta-voz do mosteiro fala em quebra dos "valores éticos"

Os monges trapistas de um mosteiro da Ordem Cister em Westvleteren, na Bélgica, ficaram extremamente insatisfeitos com o facto de um supermercado holandês ter vendido cerveja por eles produzida. Os monges alegam uma quebra de "valores éticos".

A cerveja, que estava a ser vendida a cerca de dez euros, foi rapidamente vendida e até existiram filas à porta das lojas.

A bebida é produzida por 20 monges, explica o Guardian, e está apenas disponível, normalmente, em copo num "centro de encontro". Existe também a hipótese de comprar caixas, mas sob regras bastante rígidas. De acordo com o site do mosteiro, aqueles que querem comprar várias garrafas de Westvleteren devem ter "muita paciência e sorte".

Portanto, a descoberta de que a cadeia de supermercados Jan Linders estava a vender três tipos de cerveja feita pelos monges a cinco vezes o preço normal causou bastante incómodo. Uma das cervejas, negra e com 10,2% de álcool, tem sido votada várias vezes como a melhor cerveja do mundo, relembra também o jornal inglês.

"O preço de quase 10 euros por garrafa vai contra os padrões éticos e os valores dos monges. Todos os amantes de cerveja sabem que os trapistas de Westvleteren não procuram lucro. Apenas produzem a cerveja necessária para o seu dia-a-dia. Os lucros vão para a caridade. Esperamos que isto não se volte a repetir", afirmou um porta-voz do mosteiro. Acrescentou ainda que a cadeia de supermercados teve "a melhor das intenções".

Um porta-voz da cadeia de supermercados explicou que a Jan Linders não teve lucro porque obteve a cerveja através de "vários contactos". Apenas foi permitida a compra de duas garrafas de cada vez aos clientes do supermercado e as 300 caixas de 24 garrafas desapareceram em poucas horas, com relatos de várias filas enquanto as pessoas esperavam pela cerveja.

Quem pretender comprar a cerveja feita pelos monges, pode fazê-lo reservando um máximo de duas caixas de 24 cervejas a cada dois meses, com um custo estimado entre os 35 e os 44. Para tal, deve-se registar a matrícula do carro com alguma antecedência e combinar data e hora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...