Moldávia expulsa cinco diplomatas russos

Motivos da expulsão não forma divulgados. Presidente moldavo Igor Dodon condenou a decisão do governo

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Moldávia ordenou hoje a expulsão de cinco diplomatas russos daquele país sem precisar os motivos de tal decisão, o que suscitou a reprovação imediata do Presidente pró-russo Igor Dodon.

A diplomacia moldava informou hoje à tarde o embaixador russo Farit Moukhametchine desta decisão, segundo indicou um funcionário do ministério citado pela agência noticiosa francesa AFP.

O representante diplomático de Moscovo na capital moldava, Chisinau, confirmou ter recebido a nota informativa das autoridades moldavas, mas escusou-se a fazer mais comentários.

Os diplomatas russos têm 72 horas (três dias) para deixar o país, segundo o Presidente moldavo pró-russo Igor Dodon, que condenou a decisão do governo.

O chefe de Estado qualificou a decisão como "uma provocação" e atribuiu a medida aos apoiantes de uma integração desta ex-república soviética na União Europeia (UE).

"Estou profundamente chocado com este ato hostil por parte dos representantes da diplomacia moldava e condeno a medida nos termos mais fortes", declarou Igor Dodon num comunicado.

Esta decisão "foi provavelmente tomada por ordem do Ocidente", acrescentou o Presidente moldavo, acreditando que poderão existir "consequências negativas" para as relações entre Moscovo e Chisinau.

A identidade dos cinco diplomatas visados pela medida de expulsão não foi divulgada, mas esta ordem surge após acusações contra Alexandre Groudine, um conselheiro do adido militar russo na Moldávia.

Em março passado, Groudine foi acusado de ter obtido informações confidenciais de um antigo deputado moldavo, Iouri Bolbochane, que foi posteriormente detido e acusado do crime de traição.

A Moldávia está dividida entre os apoiantes de uma reaproximação com a Rússia, que têm no Presidente Igor Dodon a sua principal figura, e os apoiantes de uma integração na UE. Neste último grupo estão vários membros do atual governo.

Igor Dodon tem boas relações com o Presidente russo, Vladimir Putin. O chefe de Estado moldavo foi o único líder estrangeiro que esteve presente em Moscovo no tradicional Desfile da Vitória sobre a Alemanha nazi, realizado no passado dia 09 de maio.

O Presidente moldavo manifestou a sua intenção de renegociar o acordo de livre comércio assinado em 2014 com a União Europeia a favor de uma reaproximação a Moscovo, o que provocou mal-estar entre os políticos pró-europeus daquele país.

Ler mais

Exclusivos