Modelo transgénero é eleita Miss Universo Espanha 2018

Ángela Ponce é a segunda transexual a lutar pelo título de Miss Universo desde que a competição permitiu a participação do género, em 2012

A modelo sevilhana Ángela Ponce tornou-se a primeira mulher transgénero a ser coroada Miss Universo Espanha, sendo assim a segunda a lutar pelo título de Miss Universo, desde que a competição permitiu a participação do género em 2012.

Com 26 anos, a beleza da manequim, que nasceu homem, mas que há quatro anos terminou o processo de se converter em mulher, conquistou o júri e o público que a elegeu a mais bela de Espanha, no evento realizado na passada sexta-feira, em Terragona.

A jovem, que em 2015 já tinha sido eleita Miss Cádiz também já tinha tentado concorrer ao concurso Miss Mundo Espanha, mas sem sucesso. Agora realiza o sonho. "Eu não poderia vencer a Miss Mundo Espanha porque a organização não admitia mulheres transexuais. Três anos depois, vou apresentar-me novamente porque no Miss Universo é possível", explicou a rainha da beleza numa entrevista recente ao programa Viva la vida da Telecinco, onde adiantou ainda que "quando tinha três anos, soube logo que era mulher".

Recorde-se que Miss Mundo e Miss Universo são duas competições distintas, apesar de terem o mesmo objetivo: eleger as mulheres mais belas do Planeta. Em 2012 a organização do Miss Universo passou a permitir a participação de misses transgénero. Nesse mesmo ano, a canadiana Jenna Talackova foi a primeira concorrente transexual a participar na competição.

Ángela Ponce afirma que participa nestas competições para dar visibilidade à sua causa. "Com o título quero levar uma mensagem de inclusão, tolerância, respeito e amor", escreveu na legenda de uma foto no Instragam.

A final da Miss Universo ainda não tem data nem local para acontecer.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.