Governo moçambicano quer escolas secundárias a distribuir contracetivos até 2021

Ministério da Saúde quer promover o planeamento familiar

O Governo moçambicano pretende que todas as escolas secundárias do país disponibilizem contracetivos até 2021, como medida de prevenção de gravidez indesejada e promoção do planeamento familiar, disse hoje à Lusa o Ministério da Saúde de Moçambique.

"Gostaríamos de, até ao final de 2021, termos entre 90% e 100% das escolas secundárias a oferecerem estes serviços de contraceção", afirmou a chefe do Departamento de Saúde da Mulher e Criança no Ministério da Saúde, Páscoa Wate.

Sem se referir ao tipo de contracetivos que serão colocados à disposição das alunas das escolas secundárias moçambicanas, a chefe do Departamento de Saúde assinalou que a mensagem principal será sobre a importância da abstinência, sendo o recurso aos contracetivos uma medida de último caso.

"A mensagem é abstinência, abstinência e abstinência, mas em caso de não haver essa abstinência, estarão disponíveis métodos para evitar que fiquem grávidas muito cedo", declarou.

Tal como acontece com as campanhas de distribuição do preservativo, vistas por algumas correntes como um estímulo à prática sexual, a disseminação do uso de contracetivos nas escolas pode ser mal vista, mas valerá a pena pelos resultados, assinalou Páscoa Wate.

"Uma das coisas que temos de começar a ver é como vamos trabalhar com os pais, encarregados de educação e educadores, porque os nossos adolescentes e jovens têm acesso a informação, mas não conseguem filtrá-la", afirmou Páscoa Wate.

Wate declarou que é necessário desmistificar a ideia de que o planeamento familiar diz respeito apenas às mulheres, mobilizando os homens para esta problemática.

"Os rapazes devem entender que, se tiverem filhos muito cedo, serão obrigados a deixar a escola para cuidar do filho, comprometendo o seu futuro", ressalvou a chefe do Departamento de Saúde da Mulher e Criança.

Em entrevista à Lusa, Páscoa Wate apontou um inquérito de 2015, que refere que, em Moçambique, apenas 25,3% de mulheres em idade fértil, na faixa entre os 15 e os 49 anos, usaram um método contracetivo num período daquele ano, em comparação com taxas acima de 70% usados nos países mais ricos.

Páscoa Wate afirmou que a exclusão da maioria das mulheres moçambicanas dos métodos de contraceção modernos deve-se a uma multiplicidade de fatores, incluindo a insuficiente cobertura dos serviços de saúde e razões socioculturais.

"A nossa rede sanitária, de facto, ainda não cobre a população no que era desejável, há quem tem de andar quatro a cinco horas, para chegar a um posto de saúde", declarou a chefe do Departamento de Saúde da Mulher e Criança no Ministério da Saúde.

A chefe do Departamento de Saúde da Mulher e Criança assinalou que o país quer que 35% de mulheres em idade fértil recorram a contracetivos até 2020, como forma de intensificar a adesão ao planeamento familiar.

"O sucesso nos programas de planeamento familiar é crucial para o controlo da natalidade e da pressão demográfica no país", destacou Páscoa Wate.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.