Mobília de quarto "assombrada" foi vendida por mil dólares

Loja que vendeu mobília avisou que anterior dono da cómoda e cama de madeira entregou o mobiliário por acreditar que causava pesadelos à família.

Uma loja de uma instituição social da Carolina do Norte, nos Estados Unidos da América, ganhou mil dólares (cerca de 880 euros) com a venda de uma mobília de quarto, em madeira, esculpida à mão, e que alegadamente está "assombrada". A cómoda e a cama tinham sido oferecidas à loja e, apesar do aviso para fantasmas, ou talvez por causa dele, os compradores não tardaram a aparecer.

A Habitat for Humanity ReStore, do condado de Rowan, avisou os potenciais clientes de que o proprietário anterior relatou que ele e a sua mulher tinham "pesadelos contínuos" enquanto a mobília esteve no seu quarto. Acrescentou ainda que os seus cães também se comportavam de forma estranha junto da cómoda e da cama dos anos 1950, pois "não paravam de latir".

A diretora de operações da loja, Elizabeth Brady, diz que dois clientes habituais ficaram intrigados e pagaram o preço total, mas não acreditam que a mobília esteja mesmo assombrada.

Como uma organização cristã na área de habitação, os responsáveis da instituição fizeram questão de divulgar aos compradores que os móveis podiam estar assombrados, tendo e recusou a ideia que foi uma estratégia de publicidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?