Miss Israel e Miss Iraque tiram selfie e a árabe acaba a receber ameaças de morte

Adar Gandelsman e Sarah Idan surgem em foto no Instagram com um apelo à paz. Mas o resultado foram mensagens de ódio e a família da iraquiana forçada a sair do país. Ela manteve a imagem na rede social e diz não ter medo.

A última vez que uma iraquiana entrou num concurso de Miss Universo foi em 1972, ainda Saddam Hussein não tinha chegado ao poder. Talvez por isso, Sarah Idan estivesse tão entusiasmada por poder representar o seu país no evento deste ano, organizado em finais de novembro em Las Vegas: "É uma honra ser a primeira mulher em mais de 40 anos a representar o meu país na Miss Universo. Estou muito, muito entusiasmada", escrevia no Facebook a modelo de 27 anos. Ora, foi outra rede social, o Instagram, na qual publicou uma fotografia com a miss Israel, que a colocaria no centro da ira dos radicais muçulmanos, tornando-a alvo de ameaças de morte e obrigando a sua família a deixar o Iraque.

"Paz e amor da miss Iraque e miss Israel", escreveu Idan a acompanhar a sua foto com Adar Gandelsman. Uma mensagem acompanhada de dois corações. Mas a imagem não foi recebida com paz nem com amor. "Acordei com chamadas da minha família e da Organização da Miss Iraque. Estavam a enlouquecer. As ameaças de morte que recebi online eram muito assustadoras", contou mais tarde à CNN. Idan já antes causara controvérsia junto dos setores mais conservadores da sociedade iraquiana ao desfilar de biquíni no concurso.

Nascida e criada em Bagdad, Idan é uma cantora e letrista, que se refugia na música para escapar à violência que tem minado o seu país desde a invasão americana em 2003, que levou à queda de Saddam. E em 2009, com apenas 19 anos, juntou-se à coligação internacional liderada pelos EUA, tendo trabalhado como tradutora na estabilização da capital iraquiana. Mais tarde, mudou-se para os EUA, onde se formou em Performance pelo Musicians Institute de Los Angeles. "Digo sempre o que penso. Não tenho medo. Servi ambos os países, Iraque e EUA. Fez-me crescer e tornar-me melhor pessoa. Sinto-me honrada por ter tido esta oportunidade", explicou Idan numa entrevista ao International Business Times.

Foi este lado destemido que a levou a ignorar os avisos da Organização da Miss Iraque e a manter a fotografia no Instagram. Mesmo se numa segunda mensagem na mesma rede social esclareceu que não apoia o governo de Israel e pediu desculpas a "todos os que acharam que se tratou de um ataque à causa palestiniana".

Assustada com a escala das ameaças, Idan pediu à família para sair do Iraque e, em declarações à CNN, criticou o silêncio do governo de Bagdad durante todo este caso. "O governo tem estado assustadoramente calado. E, quando estão assim tão calados, não se sabe o que nos espera em casa", explicou. A própria Idan, que vive nos EUA, precisava de voltar ao Iraque para renovar o bilhete de identidade e o passaporte. Mas garante não ter medo. E, por entre mensagens de ódio e ameaças de morte, Idan também recebeu o apoio de muitos nas suas contas nas redes sociais.

A foto, essa, continua no Instagram. E Idan não tem hesitado em usá-la para promover a paz. Além disso, tem mantido contacto com Adar Gandelsman. "Saudades tuas, miúda. Avisa-me se vieres à Califórnia", escreveu a iraquiana. Em declarações ao The Times of Israel, a miss israelita, de 20 anos, explicou que a colega iraquiana publicou a fotografia "para que o povo perceba que é possível vivermos juntos".

Publicada em finais de novembro, a imagem tornou-se ainda mais polémica depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter reconhecido, a 6 de dezembro, Jerusalém como capital de Israel, provocando protestos em vários países árabes e muçulmanos. O Iraque não foi exceção. Isto apesar de em 1948, ano da fundação de Israel e do início da perseguição aos judeus, o Iraque ter uma comunidade judaica de mais de 150 mil.

Mas esta está longe de ser a única vez que um gesto de simpatia entre um nacional de um país árabe ou muçulmano e um israelita gera tensões e protestos.

Em 2005, o funeral do papa João Paulo II foi palco de um aperto de mão entre o então presidente israelita Moshe Katzav e o líder supremo iraniano, Mohammad Khatami. Nascido em Yazd, no Irão, Katzav mudou-se com a família para Israel quando tinha 6 anos, o que explica os relatos sobre os dois homens terem trocado umas palavras em farsi. Diante da chuva de críticas de ambos os lados - por terem cumprimentado o líder de um país inimigo -, ambos vieram negar o aperto de mão. Mas Katzav acabaria por garantir ao Channel 2 da televisão que se tratou apenas de um gesto de boa educação que não tinha qualquer implicação política.

Se na política estes momentos de contacto são especialmente sensíveis, no que se refere à tensão entre árabes ou muçulmanos e israelitas a questão coloca-se a vários níveis. Até no desporto. Em outubro passado, por exemplo, a organização do campeonato mundial de judo que decorria nos Emirados Árabes Unidos recusou içar a bandeira e tocar o hino de Israel quando um atleta daquele país ganhou uma medalha de ouro. E na mesma modalidade, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, o judoca egípcio Islam El Shehaby provocara uma onda de críticas ao recusar apertar a mão ao adversário israelita, Or Sasson.

Mais radicais foram as consequências para Mushir Salem Jawher, um corredor de fundo nascido Leonard Mucheru Maina no Quénia e que em 2003 se mudou para o Bahrein, adquirindo a nacionalidade daquele emirado do Golfo, mudando de nome e passando a competir sob as suas cores. Ora, foi o que fez em janeiro de 2007 quando correu e ganhou a maratona de Tiberíades, em Israel, tendo-lhe logo sido retirada a nacionalidade do Bahrein. Foi de novo como queniano que em 2008 voltou à maratona de Tiberíades, repetindo a vitória.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.