Ministro romeno compara incineração de porcos a campo nazi de Auschwitz

O ministro da Agricultura romeno, Petre Daea, desculpou-se hoje por comparar a incineração de porcos com febre suína africana ao campo de concentração nazi de Auschwitz, mas assegurou que não "ofendeu ninguém"

"Eu expresso o meu respeito a todos os membros da comunidade judaica e digo que só queria descrever a difícil situação que os agricultores romenos enfrentam por causa da peste suína africana", declarou Petre Daea num comunicado.

Durante uma entrevista à televisão na noite de terça-feira, Daea disse que, nas fazendas afetadas, "os porcos são incinerados, é um trabalho incrível, é como em Auschwitz".

"Eu jamais ofendi alguém, apenas expressei a minha dor", disse o ministro, cujas palavras costumam gerar confusão na Roménia

A oposição de centro-direita imediatamente exigiu a sua demissão, sublinhando que era "inaceitável comparar a incineração de porcos a uma tragédia global".

"Essas declarações são suscetíveis de atentar contra à dignidade humana e criar uma atmosfera hostil, humilhante para todos que se lembrem do Holocausto", disse o presidente do Conselho Nacional de Combate à Discriminação (CNCD), Csaba Asztalos, afirmando que o órgão irá abrir uma investigação e pedir uma explicação ao ministro da Agricultura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".