Schäuble não aceita conselho de Bruxelas para investir mais

Schäuble criticou a Comissão Europeia por recomendar a Berlim aumentar o investimento porque tem margem orçamental, alegando que já investe mais do que os outros sócios europeus

"Creio que as recomendações da CE vão de certa forma para o destinatário errado", assegurou Schäuble numa comparência no Parlamento para defender o projeto de Orçamento do Estado para 2017, que será aprovado definitivamente na sexta-feira.

O ministro sublinhou que, desde que Angela Merkel chegou ao poder em 2005, a Alemanha em média aumentou 3,3% as receitas e 2,3% os gastos, enquanto o investimento aumentou 3,9% por ano.

Em comparação, adiantou Schäuble, os outros países da União Europeia (UE) aumentaram 2,7% as receitas, 2,5% os gastos e 0,7% o investimento.

A CE erra ao dirigir à Alemanha aquelas críticas, segundo o ministro das Finanças alemão, que considerou que Bruxelas "se desvia" assim da sua missão de supervisionar o cumprimento das normas orçamentais comunitárias.

Schäuble, homem forte e principal defensor das políticas de austeridade na Europa, mostrou-se satisfeito por levar à Bundestag (câmara baixa alemã) o quarto orçamento consecutivo do Governo federal que pressupõe um défice nulo.

Mesmo assim, o titular das Finanças reconheceu que as baixas taxas de juro na zona euro "ajudaram muito" a Alemanha a enfrentar grandes desafios, como a crise dos refugiados, sem cortar noutras despesas.

Sobre estas premissas, Schäuble defendeu que não se devem dar como certas as atuais condições e advertiu que as receitas no melhor dos casos se vão manter, enquanto os gastos vão aumentar nos próximos anos devido ao "desafio migratório" e à "evolução migratória".

"Não devemos dormir sobre os êxitos alcançados", defendeu.

Por outro lado, o Instituto da Economia Alemã (IW) de Colónia divulgou esta terça-feira previsões que apontam para um crescimento de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) da maior economia europeia em 2017 devido ao aumento das "incertezas globais" depois do 'Brexit' (saída do Reino Unido da UE) e da vitória de Donald Trump nos Estados Unidos.

A estimativa do IW é claramente inferior à do Governo alemão, que aponta para um crescimento de 1,4% do PIB no próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.