Ministro demite-se devido a mentira sobre reunião com Putin

Ministro mentiu dizendo que estivera numa reunião organizada pelo presidente russo

O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Halbe Zijlstra, demitiu-se hoje na sequência de ter mentido sobre a sua presença durante uma reunião com o Presidente russo, Vladimir Putin.

"Não tenho hoje outra opção a não ser de submeter a minha demissão a sua majestade, o Rei", afirmou o governante no parlamento, visivelmente emocionado, pondo assim um ponto final na controvérsia que envolvia o seu nome.

O ministro, que ocupava o cargo desde outubro passado, tinha enfrentado hoje um debate difícil no parlamento, após ter admitido que mentiu sobre a sua presença numa reunião organizada pelo Presidente russo, na sua casa de campo, há mais de uma década.

Já era esperado que Halbe Zijlstra, membro do partido VVD (centro-direita), do primeiro-ministro Mark Rutte, enfrentasse questões difíceis e pedidos da sua demissão no parlamento.

No passado, o ministro da pasta diplomática afirmara que tinha participado numa reunião em 2006, quando Putin disse que considerava a Bielorrúsia, a Ucrânia e os Estados do Báltico como parte da "Grande Rússia".

No entanto, Zijlstra nunca esteve naquele encontro, mas falou com um ex-dirigente da petrolífera Shell que participou no encontro em casa de Putin e que afirma nunca ter dito o que o ministro repetiu nos últimos anos sobre a ideia expansionista de Putin.

Esta fonte escreveu hoje uma carta à imprensa holandesa em que assegurou que Zijlstra fez uma má interpretação da conversa, porque Putin "falava em termos históricos" e não "num tom de ameaça" contra a Europa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?