Ministra da saúde despedida após revelar que mortalidade aumentou

Ministra divulgou dados que provam que mortalidade infantil e materna aumentaram em 2016

O presidente da Venezuela Nicolás Maduro despediu a ministra da saúde Antonieta Caporale, um dia após ela revelar que a mortalidade infantil e a mortalidade materna aumentaram, assim como os casos de malária no país.

Segundo os dados do Ministério da Saúde, a mortalidade materna aumentou 66% em 2016, para 756 casos, e morreram 11466 crianças em 2016, o que representa um aumento na mortalidade infantil de 30%. Além disso, os casos de malária aumentaram 76%, tendo sido diagnosticados cerca de 240 mil doentes em 2016.

Foi a primeira vez em dois anos que as autoridades da saúde divulgaram relatórios oficiais.

O despedimento da responsável foi anunciado pelo Twitter na quinta-feira à noite. "O presidente Nicolás Maduro designou o compatriota Luis Lopez novo ministro do Poder Popular para a Saúde", escreveu o vice-presidente Tareck El Aissami nesta rede social.

Luis Lopez era o vice-ministro dos hospitais no governo nacional e secretário da saúde no governo regional do estado de Aragua.

A Venezuela tem enfrentado uma crise social e política e escassez de produtos que afetou o setor da saúde.

"Se precisas de ser operado hoje em dia tens de levar os teus próprios medicamentos para o hospital", disse Eugenia Morin, de 59 anos, durante uma manifestação contra o governo, segundo a CNN. "Não há mantimentos para atender às urgências mais básicas".

Segundo estatísticas da federação de farmacêuticos da Venezuela, havia escassez de mais de 80% dos medicamentos no país já em junho do ano passado.

Em 2016, começou a circular na internet uma fotografia que mostrava recém-nascidos dentro de caixas de cartão.

A imagem foi alegadamente tirada no hospital Domingo Guzmán Lander, cidade de Barcelona, e foi divulgada pela oposição venezuelana, segundo a CNN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.