Ministra da Justiça norueguesa demite-se após polémica sobre imigração

Sylvi Listhaug acusou os trabalhistas de darem mais importância aos "direitos dos terroristas" do que à segurança do país

A ministra da Justiça e Imigração da Noruega, Sylvi Listhaug, demitiu-se esta terça-feira após um ataque que publicou no Facebook contra o líder do Partido Trabalhista, na oposição.

A demissão foi formalizada poucas horas antes da moção de censura contra a ministra de direita e que ameaçava o futuro do governo conservador, minoritário no Parlamento de Oslo.

Aparentemente a demissão da ministra põe fim a uma crise política que envolve o governo formado pela coligação que une os conservadores da direita xenófoba, a Sylvi Lishaug e aos liberais.

O Partido Democrata Cristão, aliado parlamentar do governo, decidiu apoiar a moção contra ministra o que poderia por em causa a continuação do Executivo.

A polémica surgiu na semana passada quando Listhaug acusou os trabalhistas de darem mais importância aos "direitos dos terroristas" do que à segurança da nação.

A ministra referia-se à posição dos trabalhistas que se opõem à proposta do governo que pretendia retirar os passaportes e a nacionalidade aos islamitas noruegueses de forma sumária e sem intervenção judicial.

A acusação da ministra provocou uma forte reação política da oposição que recordou a Listhaug que o Partido Trabalhista foi vítima do ataque de 2011, levado a cabo por Anders Behring Breivik e que fez 77 mortos.

Na sexta-feira, a ministra acabou por pedir desculpas tendo pedido hoje a demissão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".