Militares mexicanos apreendem 800 quilos de cocaína abandonados no Pacífico

Esta é a terceira apreensão de cocaína em menos de duas semanas no Pacífico ao largo da costa mexicana

O exército mexicano apreendeu cerca de 800 quilos de cocaína abandonados no Oceano pacífico pela tripulação de um navio na costa do estado de Chiapas, no sul do país, anunciou no domingo a Marinha mexicana.

Um avião da Marinha, que estava em missão de vigilância no sábado sobre o Pacífico, localizou "uma pequena embarcação com várias pessoas a bordo que lançavam pacotes ao mar", segundo um comunicado emitido pela Marinha.

Os militares descobriram "24 pacotes com cloridrato de cocaína flutuando na água, com um peso de 793,4 quilos".

Os factos ocorreram a cerca de 260 quilómetros da costa de Chiapas. Uma unidade militar, liderada pela aeronave da Marinha, tentou perseguir o barco, mas este conseguiu escapar.

Esta descoberta é o resultado do trabalho dos serviços de informação que fornecem dados sobre os "barcos da América do Sul" que transportam drogas através do Pacífico e percorrem a costa de Chiapas, na fronteira da Guatemala.

Esta é a terceira apreensão de cocaína em menos de duas semanas no Pacífico ao largo da costa mexicana, segundo a Marinha.

O México, produtor e ponto de passagem do tráfico de drogas, está a passar por uma onda de violência entre os diferentes cartéis que enviam as drogas para os Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.