Milhares protestam contra estado de emergência

Manifestantes exigem o levantamento imediato do estado de emergência, decretado após os atentados terroristas de 13 de novembro

Vários milhares de pessoas manifestaram-se hoje em Paris e em outras cidades francesas para contestar o estado de emergência em França e uma nova lei que permite retirar a cidadania francesa a culpados de terrorismo.

Os manifestantes, que responderam ao apelo de um coletivo de organizações não-governamentais, incluindo a Liga dos Direitos Humanos e vários sindicatos, exigiram o levantamento imediato do estado de emergência, decretado após os atentados terroristas de 13 de novembro que fizeram 130 mortos em Paris, e o abandono de um projeto-lei que prevê a retirada da cidadania francesa a pessoas condenadas por atividades terroristas.

As medidas "colidem e prejudicam as nossas liberdades em nome de uma hipotética segurança", referiu o coletivo de organizações, num comunicado.

A manifestação na capital francesa reuniu 5.000 pessoas, segundo a polícia, enquanto o número dos organizadores é mais elevado: 20.000 pessoas.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, assegurou na quarta-feira que o estado de emergência, que o executivo de Paris deseja prolongar até finais de maio, irá ser "necessariamente limitado no tempo".

Em declarações à estação pública britânica BBC, Valls disse que, através dos termos do estado de emergência, a França "poderá utilizar todos os meios" contra o terrorismo e até à derrota final do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Para algumas vozes da sociedade francesa, estas declarações de Valls revelam uma eventual intenção de prolongar o estado de emergência por anos.

A intenção do Governo francês em avançar com medidas para retirar a cidadania a condenados por terrorismo motivou a demissão na quarta-feira da ministra da Justiça, Christiane Taubira, que alegou um "grande desacordo político" com o Presidente francês, François Hollande, e com o primeiro-ministro, Manuel Valls.

Esta regra, que só poderá ser aplicada aos cidadãos com dupla nacionalidade, está prevista num projeto de revisão constitucional, que também prevê incluir na Constituição francesa a figura de estado de emergência.

De acordo com o executivo francês, a ideia é proteger e enquadrar legalmente os termos do estado de emergência. Estas medidas devem ser debatidas dentro de poucos dias no parlamento.

Quatro em cada cinco franceses são a favor de um prolongamento do estado de emergência, segundo uma recente sondagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...