Milhares protestam contra estado de emergência

Manifestantes exigem o levantamento imediato do estado de emergência, decretado após os atentados terroristas de 13 de novembro

Vários milhares de pessoas manifestaram-se hoje em Paris e em outras cidades francesas para contestar o estado de emergência em França e uma nova lei que permite retirar a cidadania francesa a culpados de terrorismo.

Os manifestantes, que responderam ao apelo de um coletivo de organizações não-governamentais, incluindo a Liga dos Direitos Humanos e vários sindicatos, exigiram o levantamento imediato do estado de emergência, decretado após os atentados terroristas de 13 de novembro que fizeram 130 mortos em Paris, e o abandono de um projeto-lei que prevê a retirada da cidadania francesa a pessoas condenadas por atividades terroristas.

As medidas "colidem e prejudicam as nossas liberdades em nome de uma hipotética segurança", referiu o coletivo de organizações, num comunicado.

A manifestação na capital francesa reuniu 5.000 pessoas, segundo a polícia, enquanto o número dos organizadores é mais elevado: 20.000 pessoas.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, assegurou na quarta-feira que o estado de emergência, que o executivo de Paris deseja prolongar até finais de maio, irá ser "necessariamente limitado no tempo".

Em declarações à estação pública britânica BBC, Valls disse que, através dos termos do estado de emergência, a França "poderá utilizar todos os meios" contra o terrorismo e até à derrota final do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Para algumas vozes da sociedade francesa, estas declarações de Valls revelam uma eventual intenção de prolongar o estado de emergência por anos.

A intenção do Governo francês em avançar com medidas para retirar a cidadania a condenados por terrorismo motivou a demissão na quarta-feira da ministra da Justiça, Christiane Taubira, que alegou um "grande desacordo político" com o Presidente francês, François Hollande, e com o primeiro-ministro, Manuel Valls.

Esta regra, que só poderá ser aplicada aos cidadãos com dupla nacionalidade, está prevista num projeto de revisão constitucional, que também prevê incluir na Constituição francesa a figura de estado de emergência.

De acordo com o executivo francês, a ideia é proteger e enquadrar legalmente os termos do estado de emergência. Estas medidas devem ser debatidas dentro de poucos dias no parlamento.

Quatro em cada cinco franceses são a favor de um prolongamento do estado de emergência, segundo uma recente sondagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.