Milhares nas ruas de Lima pelo fim da violência contra as mulheres

O Peru é o país da América Latina com o segundo maior número de violações, a seguir à Bolívia

Milhares de mulheres marcharam, este sábado, pelas ruas da capital do Peru, Lima, contra a violência contra as mulheres, um assunto que suscita forte preocupação em inúmeros países da América Latina.

Ecoando 'slogans' como "Nem mais uma!" ou "Parem com os maus-tratos e com a violência", as manifestantes também reivindicarem castigos mais severos para os agressores.

Cinco mulheres do elenco governativo do Presidente peruano, Pedro Kuczynski, também participaram na marcha, durante a qual uma jovem manifestante exibiu um cartaz com a mensagem: "Desculpem estar a incomodar, mas estamos a ser mortas!".

O Peru figura como o país da América Latina com o segundo maior número de violações, a seguir à Bolívia, com o registo de 3.125 casos entre janeiro e setembro deste ano, segundo observadores internacionais.

O número de assassínios de mulheres é igualmente elevado: mais de 130 desde o início do ano, contra 107 em 2016, num país de 30 milhões de habitantes.

A violência contra as mulheres é "um problema generalizado que afeta a nossa sociedade. E, infelizmente, pouca coisa mudou", declarou a ativista Fabiola Maza, uma das organizadoras da marcha de sábado, citada pela agência de notícias francesa AFP.

Paris ou Madrid, por exemplo, também foram palco de grandes manifestações para assinalar o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra a Mulher.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.