Milhares de pessoas retiradas da costa leste das Filipinas devido a ameaça de tufão

Tufão "Nock-Ten" deve atingir Manila, a capital, na segunda-feira

As autoridades filipinas começaram hoje a retirar milhares de pessoas e fecharam dezenas de portos devido à ameaça de que um forte tufão atinja a costa leste do país no dia de Natal, informou a agência France Presse (AFP).

Segundo a AFP, as previsões apontam para que, no domingo, o tufão "Nock-Ten" provoque ventos até cerca de 250 quilómetros por hora quando passar por Catanduanes, uma ilha remota com 250 mil habitantes na região de Bicol.

Na segunda-feira, espera-se que o tufão atinja Luzon, a principal ilha do país, incluindo a capital, Manila.

"A evacuação preventiva está em curso" em Catanduanes e em duas províncias próximas, disse à AFP Rachel Miranda, porta-voz do escritório de defesa civil na região de Bicol.

Os serviços meteorológicos das Filipinas emitiram um alerta devido à perspetiva de se formarem ondas de dois metros potencialmente mortíferas ao longo da costa, bem como para deslizamentos de terra e inundações devido a chuva forte.

Vários navios foram obrigados a permanecer nos portos e uma companhia aérea cancelou 18 voos de Natal de e para os aeroportos de Bicol.

"É triste não poder juntar-me aos meus pais para celebrar o Natal", afirmou Reagan Sumukit, um dos 500 passageiros de um ferry no Porto de Tabaco que ficaram em terra devido à ameaça do tufão.

Entre 15 e 20 tufões atingem todos os anos as Filipinas na época das chuvas, que começa em junho e termina em novembro.

O tufão mais poderoso e mortal que atingiu as Filipinas foi o Haiyan, que deixou 7.350 pessoas mortas ou desaparecidas e destruiu cidades inteiras em áreas densamente povoadas do centro das Filipinas, em novembro de 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.