Milhares de contas do Twitter com ligações à Rússia ajudaram Jeremy Corbyn

Milhares de contas da rede social 'Twitter' com ligações à Rússia lançaram mensagens de apoio ao candidato do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, na campanha das últimas eleições legislativas no Reino Unido

Uma investigação do "The Sunday Times"​​​​ diz que um estudo realizado com a colaboração da Universidade de Swansea, no País de Gales, identificou uma rede de 6.500 utilizadores do 'Twitter', nas semanas que antecederam os comícios de junho de 2017, a atacar o Partido Conservador e a difundir mensagens favoráveis a Corbyn que chegaram "a milhões de eleitores", escreve a agência de notícias espanhola EFE.

A maioria das contas "pode ser identificada claramente como robots, conhecidos como 'bots'", que se encobrem atrás de nomes femininos, em inglês, "criados em massa para bombardear o público com mensagens políticas", conta o diário inglês.

Cerca de 80% destas contas automáticas foram criadas pouco antes das eleições em que a primeira-ministra, Theresa May, perdeu a maioria absoluta que mantinha até então, ao obter 42,4% dos votos contra os 40% de Jeremy Corbyn

Esta rede de contas do 'Twitter' lançou mensagens de forma massiva, elogiando os trabalhistas e criticando os conservadores, a 18 de maio do ano passado, quando Theresa May apresentou o seu programa eleitoral, adianta ainda o "The Sunday Times".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.