Milhares de brasileiros exigem justiça um mês após assassinato de Marielle Franco

Militante do Partido Socialismo e Liberdade, negra e ativista de direitos humanos, Marielle foi morta a tiro na noite de 14 de março

Milhares de pessoas manifestaram-se hoje no Rio de Janeiro para exigir "justiça" e respostas ao assassinato da vereadora Marielle Franco, de 38 anos, um mês após um crime com grande impacto no Brasil.

As celebrações em memória de Marielle e do seu condutor Anderson Gomes, também morto no atentado, decorreram nas principais cidades do país, mas foi no Rio de Janeiro que tiveram maior expressão, a cidade onde a ativista política nasceu e mantinha a sua atividade.

Militante do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), negra e ativista de direitos humanos, Marielle foi morta a tiro na noite de 14 de março, quando viajava num veículo por uma rua do centro da cidade após ter participado num ato político.

As investigações decorrem sob estrito segredo de justiça, mas diversas pistas parecem apontar para que os autores dos atentados sejam membros das "milícias", grupos com ligações à polícia que operam em diversas favelas do Rio de Janeiro e disputam o controlo desses locais com os narcotraficantes.

As autoridades já confirmaram que os invólucros de bala recolhidos no local pertencem a um lote adquirido pela polícia federal em 2006, que de seguida foi distribuído por vários estados, incluindo o do Rio de Janeiro.

Nascida e criada na Maré, uma das favelas mais pobres do Rio, Marielle Franco era conhecida pelas suas denúncias contra os excessos policiais e as suas críticas à intervenção federal na segurança da cidade decretada pelo governo, que um mês antes da sua morte colocou diversas áreas sob controlo dos militares.

O assassinato da ativista teve uma enorme repercussão no exterior e foi condenado de forma unânime por organismos de direitos humanos por todo o mundo.

Na sexta-feira, a Amnistia Internacional (AI) renovou a sua exigência às autoridades brasileiras e exortou-as a "dar prioridade" à resolução deste caso.

"A sociedade tem de saber quem matou Marielle e porquê. Cada dia que passa sem este caso estar resolvido agrava-se o risco e a incerteza em torno dos defensores e defensoras dos direitos humanos", assinalou Jurema Werneck, diretora executiva da secção brasileira da Amnistia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.